MNE da União Europeia reúnem-se de emergência na terça-feira

Chefe da diplomacia europeia, Josep Borrel, convocou ministros dos Negócios Estrangeiros para debater a escalada da violência entre Israel e palestinianos.

O chefe da diplomacia europeia convocou para terça-feira uma reunião de emergência dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) por videoconferência para discutir a escalada da violência entre Israel e palestinianos.

"Tendo em conta a escalada em curso entre Israel e a Palestina e o número inaceitável de vítimas civis, convoco uma videoconferência extraordinária dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE para terça-feira", escreveu Josep Borrell na sua conta na rede social Twitter.

Segundo o alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, os ministros irão "coordenar e discutir a maneira como a UE pode contribuir para pôr fim à violência atual".

A União Europeia diz que Borrell tem feito esforços diplomáticos "intensos" para tentar ajudar a apaziguar a tensão entre israelitas e palestinianos, com contactos com dirigentes de ambos os lados do conflito e com os principais diplomatas dos países vizinhos.

"A prioridade e a mensagem da UE neste contexto são claras: a violência deve parar imediatamente", disseram no sábado os serviços diplomáticos da UE em comunicado.

Os combates entre Israel e os palestinianos na Faixa de Gaza, os mais graves desde 2014, fizeram pelo menos 174 mortos em Gaza, incluindo 47 crianças, e outros 10 em Israel.

Os combates começaram em 10 de maio, após semanas de tensão entre israelitas e palestinianos em Jerusalém Oriental, que culminaram com confrontos na Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar sagrado do islão junto ao local mais sagrado do judaísmo.

Ao lançamento maciço de foguetes por grupos armados em Gaza em direção a Israel opõe-se o bombardeamento sistemático por forças israelitas contra a Faixa de Gaza.

O conflito israelo-palestiniano remonta à fundação do Estado de Israel, cuja independência foi proclamada em 14 de maio de 1948.

Os 27 países da UE têm frequentemente dificuldades em encontrar uma posição comum sobre o conflito israelo-palestiniano, com países como a Alemanha, a Áustria ou a Eslovénia a apoiarem firmemente o direito de Israel a defender-se, enquanto outros exortam o Estado hebreu a demonstrar contenção.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG