Ministra da Saúde convoca reunião de urgência para debater vacina AstraZeneca

A reunião está marcada para as 17:00, é presidida pela ministra da Saúde portuguesa e vai ocorrer após o anúncio da Agência Europeia de Medicamento sobre a possível relação entre a vacina da AstraZeneca e a formação de coágulos sanguíneos.

A presidência portuguesa do conselho da UE agendou uma reunião de urgência dos ministros da Saúde, por videoconferência, para debater as conclusões dos peritos sobre os eventuais riscos associados à vacina AstraZeneca contra a covid-19.

A reunião do Conselho da União Europeia (UE), marcada para as 18:00 (17:00 de Lisboa) e presidida pela ministra da Saúde, Marta Temido, decorre na sequência do anúncio "das conclusões do Comité de Avaliação de Risco em Farmacovigilância (PRAC, na sigla inglesa)" sobre a possível ligação da vacina da AstraZeneca e problemas de formação de coágulos sanguíneos.

A Agência Europeia de Medicamento (EMA) vai pronunciar-se esta sobre a possível relação entre a vacina contra a covid-19 da AstraZeneca e a formação de coágulos sanguíneos, anunciou a organização.

A conferência de imprensa online está agendada para as 14:00 GMT (15:00 em Lisboa) e terá como tema "a conclusão do exame ao alerta" lançado sobre esta vacina em relação aos "casos de trombose", afirmou em comunicado o regulador europeu, com sede em Amesterdão.

A posição oficial da EMA surge depois das declarações ao jornal italiano Il Messaggero, do responsável pela estratégia de vacinação da EMA, Marco Cavaleri, que considerou "evidente" a ligação entre a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca e a ocorrência de coágulos sanguíneos em pessoas vacinadas.

No entanto, o responsável assumiu que as causas desta ligação ainda eram desconhecidas.

"O que causa esta reação, contudo, ainda não sabemos. Nas próximas horas diremos que existe uma ligação, mas ainda precisamos de compreender como isso acontece. Procuramos obter uma imagem clara do que se está a passar, para definir precisamente esta síndrome devido à vacina. Entre os vacinados, há mais casos de trombose cerebral em pessoas mais jovens do que seria de esperar. Isto teremos de dizer", afirmou.

Na sequência destas palavras, a EMA enviou uma declaração à AFP assegurando que o comité de segurança da agência ainda não tinha chegado a uma conclusão e que a revisão estava atualmente em curso.

"A posição do Infarmed é de alinhamento com o regulador europeu"

Em Portugal, a task force que coordena o plano de vacinação contra a covid-19 disse na terça-feira que vai manter a vacina da AstraZeneca no processo até surgir uma posição oficial da EMA, da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Infarmed.

Também o Infarmed rejeitou tomar qualquer posição unilateral sobre a matéria até a EMA anunciar a conclusão da avaliação que está a fazer.

"A posição do Infarmed é de alinhamento com o regulador europeu. Está a decorrer a reunião [do Comité de Avaliação dos Riscos em Farmacovigilância] da EMA e será divulgada uma conclusão assim que terminar. Estamos a aguardar", afirmou fonte oficial da Autoridade Nacional do Medicamento à Lusa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG