Medvedev ameaça Ocidente: "A Rússia escolheu o seu próprio caminho. Não há volta atrás"

Antigo presidente e primeiro-ministro russo diz que míssil Hypersonic é "garantidamente capaz de atingir alvos na Europa e nos Estados Unidos".

O antigo presidente e primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev escreveu uma mensagem agressiva no Telegram, na qual deixou uma série ameaça ao Ocidente: "Todos os cidadãos dos países da NATO precisam de entender que a Rússia escolheu o seu próprio caminho. Não há volta atrás."

Segundo o atual vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, "os referendos serão realizados e as repúblicas de Donbass e outros territórios serão integrados na Rússia".

"A proteção de todos os territórios que serão integrados será significativamente reforçada pelas forças armadas russas. A Rússia anunciou não só a mobilização de militares na reserva mas também que quaisquer armas russas, incluindo armas nucleares estratégicas e armas baseadas em novos princípios poderão ser utilizadas para tal proteção", avisou, citado pelo The Guardian.

"Vários idiotas aposentados com listas de generais não precisam de nos assustar com a conversa de um ataque da NATO na Crimeia. O [míssil] Hypersonic é garantidamente capaz de atingir alvos na Europa e nos Estados Unidos muito mais rápido", ameaçou Medvedev.

Na quarta-feira, o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou a mobilização de reservistas, referendos para a anexação de territórios ucranianos e prometeu recorrer a "todos os meios ao seu dispor", numa alusão ao armamento nuclear, acrescentando: "isto não é bluff".

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de quase 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e quase sete milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções em todos os setores, da banca à energia e ao desporto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG