"Blá blá blá". Greta Thunberg critica líderes globais pelo aumento das emissões de CO2

A ativista sueca defende que existem muitas palavras bonitas, mas a ciência não mente. As emissões de CO2 continuam a aumentar.

Greta Thunberg criticou os líderes globais pela forma como estão a lidar com a emergência climática.

A ativista citou declarações do primeiro-ministro britânico Boris Johnson: "Este não é um abraço de coelho caro, politicamente correto e verde", e Narendra Modi: "Combater a mudança climática exige inovação, cooperação e força de vontade", mas disse que a ciência não mentiu.

As emissões de carbono estão em vias de aumentar cerca de 16% até 2030, de acordo com a ONU, em vez de cair pela metade - o corte necessário para manter o aquecimento global abaixo do limite acordado internacionalmente de 1,5 ° C.

"Blá blá blá. Economia verde. Blá blá blá. Zero líquido até 2050. Blá, blá, blá", disse ela em um discurso na cúpula da Youth4Climate em Milão, Itália, na terça-feira. "Isso é tudo o que ouvimos dos nossos chamados líderes. Palavras que parecem ótimas, mas que até agora não levaram à ação. As nossas esperanças e ambições se afogam em promessas vazias".

A cúpula do clima Cop26 começa em Glasgow, Reino Unido, em 31 de outubro e todos os países grandes poluentes devem cumprir promessas mais duras de cortar as emissões para manter a meta de 1,5 ° C ao alcance.

"É claro que precisamos de um diálogo construtivo", disse Thunberg, cuja greve climática desencadeou um movimento de milhões de jovens manifestantes climáticos.

"Ainda podemos reverter isso - é perfeitamente possível. Isso exigirá reduções de emissões anuais drásticas e imediatas. Mas não se as coisas continuarem como atualmente. A falta de ação intencional dos nossos líderes é uma traição a todas as gerações presentes e futuras."

Uma pesquisa publicada na segunda-feira mostrou que as crianças nascidas por este dias experenciarão muitas mais vezes ondas de calor extremas e outros desastres climáticos ao longo da vida em comparação com os seus avós - mesmo que os países cumpram as suas promessas relativamente suas vidas do que seus avós.

Funcionários da ONU, Reino Unido e EUA disseram que a Cop26 não produz o avanço necessário para cumprir as aspirações do acordo de Paris, mas o objetivo mais amplo da conferência - o de "manter 1,5 C vivo" - ainda era possível.

Thunberg, Vanessa Nakate de Uganda e centenas de outros jovens de todo o mundo participam do Youth4Climate Summit. É hospedado pelo governo italiano, parceiro do Reino Unido na gestão da Cop26.

A cúpula da juventude consiste em diferentes grupos de trabalho constituídos por jovens que debatem de modo a aumentar a sua participação na tomada de decisões políticas, no papel em ajudar a transformar o uso de energia, conservação da natureza e adaptação climática, e de forma a educação pode criar uma sociedade consciente do clima.

Thunberg disse: "Eles convidam jovens escolhidos a dedo para reuniões como esta para fingir que nos ouvem. Mas eles claramente não nos ouvem. As emissões ainda estão a aumentar. A ciência não mente."

"Não podemos mais deixar que as pessoas no poder decidam o que é politicamente possível. Não podemos mais deixar que as pessoas no poder decidam o que é a esperança. A esperança não é passiva. A esperança não é blá, blá, blá".

Um grande número de jovens manifestantes do clima foi para as ruas na sexta-feira em cerca de 100 países, incluindo 100.000 em Berlim, onde Thunberg falou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG