Finlandesas publicam vídeos a dançar em apoio a Sanna Marin

Hashtag "Solidariedade com Sanna" é uma resposta às críticas à primeira-ministra finlandesa, depois da divulgação de vídeos em que surge a dançar e a festejar numa festa privada.

Centenas de finlandesas estão a publicar nas redes sociais vídeos em que surgem a dançar ou a festejar, numa manifestação de apoio à primeira-ministra, Sanna Marin, que está a ser criticada depois da divulgação, nas redes sociais, de vídeos onde surge, numa festa privada, a dançar e a cantar.

"Dancei, cantei, festejei. Coisas perfeitamente legais", reagiu Marin, de 36 anos, numa transmissão em direto antes de uma reunião de verão do grupo parlamentar do seu Partido Social-Democrata. "Pessoalmente não consumi drogas, nem consumi nada mais do que álcool", acrescentou, perante a exigência de figuras da oposição para fizesse um teste de despiste de drogas. Segundo os media finlandeses, nos vídeos há pessoas que gritam ao fundo sobre cocaína. O deputado Mikko Kärnä, do Partido do Centro (que faz parte da coligação no governo), defendeu que a ministra deve fazer um teste e divulgar os resultados publicamente. "As pessoas devem poder esperar isso da sua primeira-ministra", escreveu no Twitter.

Na última sexta-feira Sanna Marin revelou que fez o teste de despiste de drogas, anunciando que os resultados devem ser divulgados durante esta semana. "Não fiz nada ilegal", voltou a garantir.

Na sequência da polémica surgiu agora a hashtag "Solidariedade com Sanna", com muitas mulheres a publicarem vídeos de apoio à jovem primeira-ministra finlandesa.

Segundo afirmou a primeira-ministra finlandesa, os vídeos são privados e foram filmados numa residência privada há algumas semanas - os media alegam que terão sido publicados nas Histórias do Instagram, onde só ficam 24 horas. A líder do Executivo sabia que estava a ser filmada, mas pensou que os vídeos se mantivessem privados: "Estou chateada por estes vídeos terem vindo a público. Era eu numa noite de festa com amigos".

Segundo escreve o The Guardian este domingo, Petteri Jarvinen, um especialista em cybersegurança citado pelo jornal finlandês Ilgtalehti, levanta a possibilidade de as imagens terem sido acedidas por hackers russos nos telemóveis ou redes sociais de algum dos participantes na festa.

Esta não é a primeira vez que Sanna Marin é criticada pela participação em festas e pela presença assídua em festivais de música.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG