EUA acusam Rússia de montar operação encenada para invadir a Ucrânia

Tensão na fronteira entre a Rússia e a Ucrânia continua a crescer. O conselheiro de segurança Jake Sullivan afirmou que esta tática não é nova: "Vimos isto em 2014. Estão a fazer o mesmo agora."

A Rússia colocou no terreno militares com o objetivo de levar a cabo uma operação encenada para criarem um pretexto para invadir a Ucrânia, segundo um oficial do exército norte-americano.

As declarações desta sexta-feira surgem depois dos Estados Unidos terem revelado um relatório dos serviços inteligência um dia depois de o conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, ter afirmado que a Rússia estava a "lançar as bases para ter a opção de fabricar um pretexto para uma invasão". O exército russo, de resto, colocou vários milhares de tropas na fronteira entre a Ucrânia e a Rússia.

Esta sexta-feira, um oficial norte-americano, citado sob anonimato pela AFP, referiu que os EUA têm "informação que indica que a Rússia já preveniu um grupo de operacionais" para conduzirem uma operação "false-flag" no leste da Ucrânia. Estas operações são conduzidas por governos, corporações, indivíduos ou outras organizações e são, no fundo, uma encenação de modo a tirar partido das consequências resultantes.

"Os operacionais têm treino em guerra urbana e no uso de explosivos para realizar atos de sabotagem contra as próprias forças de representação da Rússia", afirmou a fonte. O oficial disse ainda que a Rússia escalou uma campanha de desinformação em massa nas redes sociais, incluindo publicações que acusam a Ucrânia de violações de direito e o Ocidente de provocar tensões. Segundo o oficial, "a informação também indica que os atores de influência russa estão a começar a fabricar uma campanha de desinformação nas redes sociais e nos canais estatais" tudo com o propósito de acentuar divisões na Ucrânia e de haver um propósito para uma intervenção militar russa no país.

De resto, Jake Sullivan, na sua breve conferência de imprensa, referiu que o mesmo tipo de táticas foi usado em 2014 para invadir a Ucrânia.

Ucrânia pede reunião para resolver tensões

Segundo um conselheiro de Estado ucraniano, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu uma reunião a três para procurar uma solução para a crise na fronteira entre a Ucrânia e a Rússia. "O presidente Zelensky propôs ao presidente Biden, e pensamos que pode ser feito, organizar uma reunião trilateral, talvez por videoconferência, entre o presidente Biden, o presidente Zelensky e o presidente Putin", afirmou.

A mesma fonte disse que "esta é uma posição proativa, que envolve a Ucrânia na negociação. Se é uma questão de discutir a arquitetura de segurança na Europa, é necessário envolver a Ucrânia".

Na terça-feira o chefe de Estado ucraniano já tinha proposto uma reunião com Moscovo, Paris e Berlim para "pôr fim ao conflito" com os separatistas pró-russos no leste do seu país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG