Erdogan demite diretor das estatísticas por publicar dados da inflação

Depois de, numa penada, ter demitido o ministro da Justiça e o diretor do instituto de estatísticas, o presidente turco ameaçou os meios de comunicação com ações legais sobre conteúdos "incompatíveis com os valores nacionais e morais".

Recep Tayyip Erdogan demitiu o ministro da justiça e o chefe da agência estatal de estatísticas depois de este ter publicado dados oficiais mostrando que a taxa de inflação do ano passado atingiu um máximo de 19 anos. Horas depois ameaçou os media, uma iniciativa vista pelos críticos como uma tentativa de asfixiar a dissidência.

O líder turco afirmou num decreto que "tornou-se necessário tomar as medidas necessárias para proteger (as famílias, as crianças e os jovens) contra conteúdos prejudiciais dos media". E instou as autoridades a tomar "medidas legais" contra os "efeitos destrutivos" de alguns conteúdos mediáticos - sem revelar o que isso implicaria.

Os críticos disseram que era mais uma tentativa de reprimir a liberdade de expressão no período que antecede as eleições do próximo ano.

Faruk Bildirici, jornalista veterano e provedor do leitor, acusou Erdogan de declarar um "estado de emergência contra os media".

Grupos de direitos acusam a Turquia de minar a liberdade dos meios de comunicação social, prendendo jornalistas e fechando publicações críticas, especialmente desde que Erdogan sobreviveu a uma tentativa falhada de golpe de Estado em julho de 2016.

Erdogan prometeu na quarta-feira que o conhecido jornalista de televisão Sedef Kabas não ficaria "impune" depois de ter sido preso por alegadamente o ter insultado.

Num decreto anterior de sábado, Erdogan demitiu o chefe da agência estatal de estatísticas Sait Erdal Dincer. Foi o último de uma série de demissões relacionadas com a economia. Erdogan afastou três governadores de bancos centrais desde julho de 2019.

Erdogan tem lutado contra as elevadas taxas de juro, que ele acredita causar inflação - a oposição exata do pensamento económico convencional.

O valor da inflação de 2021 de 36,1% divulgado por Dincer enfureceu tanto os campos pró-governamentais como os da oposição.

A oposição disse que os aumentos reais do custo de vida foram pelo menos duas vezes mais elevados. Erdogan criticou entretanto a agência de estatísticas em privado por publicar dados que considerava sobrestimar a escala do mal-estar económico da Turquia.

O chefe da agência de estatística Dincer tinha pressentido o seu destino iminente. "Sento-me agora neste escritório, amanhã será outra pessoa", disse numa entrevista ao jornal Dunya no início deste mês. "Não importa quem é o diretor. Conseguem imaginar que centenas dos meus colegas poderiam tolerar ou ficar calados sobre a publicação de uma taxa de inflação muito diferente da que tinham estabelecido?"

Erdogan não explicou a sua decisão de nomear Erhan Cetinkaya, que tinha servido como vice-presidente do regulador bancário da Turquia, como o novo chefe das estatísticas estatais.

"Isto só vai aumentar a preocupação sobre a fiabilidade dos dados, para além das grandes preocupações sobre os cenários de política económica", disse Timothy Ash da BlueBay Asset Management numa nota aos clientes.

A agência de estatística deverá publicar os dados da inflação de janeiro a 3 de fevereiro.

Troca na Justiça

Também no sábado, Erdogan nomeou um novo ministro da Justiça, nomeando o antigo vice-primeiro-ministro Bekir Bozdag para substituir o membro veterano do partido no poder Abdulhamit Gul, que tinha ocupado o cargo desde 2017.

Ali Babacan, antigo vice-primeiro-ministro que deixou o partido no poder AKP e fundou o Partido Deva, desabafou no Twitter.

"O ministro da Justiça está a ser substituído, o diretor da agência de estatísticas está a ser demitido antes da publicação dos dados sobre a inflação. Ninguém sabe porquê", disse.
"A aliança autoritária... continua a prejudicar o país", disse, referindo-se ao AKP e ao seu parceiro MHP (nacionalista).

O líder da oposição Kemal Kilicdaroglu disse que Erdogan tinha atirado o diretor da agência de estatística "para o caixote do lixo" e instou os burocratas a oporem-se às políticas do líder turco.
"Caso contrário, enfrentarão o mesmo destino", advertiu ele.

Em dezembro, Kilicdaroglu foi afastado pelos seguranças quando procurou entrar na sede da agência de estatística em Ancara.

Tinha acusado a agência de "fabricar" os números para esconder o verdadeiro impacto das políticas do governo e disse que esta já não era uma instituição estatal, "mas uma instituição palaciana", em referência ao complexo presidencial de Erdogan.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG