Descobertos túmulos de 76 crianças sacrificadas em rituais do Antigo Peru

Os restos mortais das crianças, sacrificadas quando tinham entre 6 e 15 anos, foram descobertos entre julho e agosto no santuário de Pampa La Cruz.

Os túmulos de 76 crianças sacrificadas há cerca de mil anos em rituais religiosos foram encontrados por arqueólogos que escavavam num santuário pré-hispânico na costa norte do Peru.

"Encontrámos 76 túmulos com restos de crianças sacrificadas nas últimas escavações que realizámos", disse à AFP o arqueólogo Luis Flores, um dos investigadores do santuário de Pampa La Cruz.

Os restos mortais das crianças, sacrificadas quando tinham entre 6 e 15 anos, foram descobertos entre julho e agosto em duas pequenas esplanadas deste santuário situado no município de Huanchaco, perto da cidade de Trujillo, 500 km a norte da capital Lima.

Esta mesma equipa de investigadores, liderada pelo arqueólogo Gabriel Prieto, havia encontrado entre 2016 e 2019 os restos de outras 240 crianças sacrificadas pelo povo chimú, que se desenvolveu entre os anos 900 d.C. e 1450 d.C..

"São seis eventos de sacrifícios que somam mais de 300 crianças em Pampa La Cruz em todos esses anos de escavações", disse Flores.

Corações arrancados

As 76 sepulturas foram encontradas perto de um bairro em Huanchaco. Também havia vestígios de chamas no local.

"Ficámos surpreendidos por, à medida que íamos escavando de 10 a 20 centímetros, mais e mais restos iam saindo. Demos conta que eram crianças", acrescentou Flores.

Segundo Flores, o peito das crianças era aberto, de forma transversal, para a retirada do coração, em rituais aos deuses do povo Chimú.

"Os sacrifícios podem ser por eventos de falta de chuva, secas, [problemas] políticos ou guerras. Há várias hipóteses que estamos a investigar", disse o arqueólogo.

Cinco meninas

Entre os restos mortais, há cinco meninas "sentadas" enterradas com as cabeças juntas, formando uma espécie de círculo.

"Graças a Pampa La Cruz, sabemos que os sacrifícios humanos, sobretudo de crianças, foram uma parte estrutural da religião dos chimús para celebrar e glorificar o seu Estado", declarou Prieto à agência estatal peruana Andina.

"O sacrifício nesse lugar foi feito para consagrar e abrir os campos de cultivo que os chimús habilitaram nessa época", acrescentou o diretor do Programa Arqueológico de Huanchaco.

Além de arqueólogos peruanos, estudantes e académicos das universidades da Florida e de Tulane (Louisiana) participaram nessas escavações.

Os trabalhos de escavação terminaram este mês, mas serão retomados em 2023, disse Flores, o que significa que o número de restos humanos pode aumentar.

Pampa La Cruz fica a dois quilómetros do sítio arqueológico de Huanchaquito. Em abril de 2018, foram encontrados neste local os restos mortais de 140 crianças e de 200 lhamas, oferecidos em rituais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG