Criminoso Lázaro é morto no Brasil após 20 dias em fuga

Suspeito de chacinar família em Ceilãndia, nos arredores de Brasília, despistava 270 polícias no mato desde 9 de junho. No seu cadastro constam dezenas de crimes e fugiu três vezes da cadeia

Lázaro Barbosa, o criminoso mais procurado do Brasil desde 9 de junho, foi morto pela polícia nesta segunda-feira, dia 28, após 20 dias em fuga. A revelação foi feita por Ronaldo Caiado, o governador do estado de Goiás que colocou 270 polícias, numa megaoperação com recurso a helicópteros, drones, rádios comunicadores, cães farejadores e outros meios, atrás do criminoso de 32 anos acusado de matar uma família, pai, mãe e dois filhos, entre outros crimes, ao longo de extensa carreira criminal e três fugas de estabelecimentos prisionais.

O criminoso, considerado "imprevisível" pelo secretário de Segurança goiano, foi para a cidade de Cocalzinho de Goiás, a 80 km de distância do local da chacina, em Ceilândia, arredores de Brasília, num carro roubado e conseguiu escapar da polícia por entre mato denso, grutas e córregos de rios, furtando comida de fazendas da região e fazendo reféns os seus proprietários. Segundo as autoridades, invadiu pelo menos 11 fazendas, baleou moradores e trocou tiros com dois polícias e um oficial da Força Aérea Brasileira.

"Acabo de receber neste momento uma informação de todas as equipas que estão na região de Cocalzinho que o Lázaro foi preso", disse Caiado, ainda antes de ter sido divulgado que o perseguido morrera. "Como eu disse, era questão de tempo até que a nossa polícia, a mais preparada do país, capturasse o assassino Lázaro Barbosa. Parabéns para as nossas forças de segurança. Vocês são motivo de muito orgulho para a nossa gente! Goiás não é Disneylândia de bandido", concluiu o governador, numa rede social.

Num vídeo, Lázaro é retirado de uma viatura da polícia e, aparentando ferimentos, colocado numa ambulância. Momentos depois morreu, segundo as últimas informações.

Lázaro acumulava crimes e fugas de cadeias, a começar pela cidade em que nasceu na Bahia, Barra dos Mendes, onde era acusado de um duplo homicídio em 2007, regista o portal G1. À época, segundo a políica baiana, Lázaro ficou nove dias escondido numa mata mas decidiu entregar-se por estar ferido. Ele fugiu dez dias depois.

Em 2011, Lázaro foi preso e condenado por roubo e violação no Distrito Federal. O crime foi cometido em 2009 por ele e um irmão, que morreu dois anos depois. Lázaro ficou na Penitenciária da Papuda, em Brasília. Ele chegou a fazer cursos de "empatia, sexualidade e para se colocar no lugar das vítimas", contam as autoridades. Saiu em 2016, no indulto de Páscoa, e não voltou mais.

O criminoso chegou a ser detido novamente em 2018, em Águas Lindas de Goiás, mas fugiu da prisão por um buraco no teto da cela, com mais quatro detentos. Ele foi o único do grupo a não ser recapturado. Desde então, Lázaro é suspeito de assaltar chácaras em cidades goianas em redor do Distrito Federal. Em Cocalzinho de Goiás, é investigado por matar um caseiro no fim de maio. Quatro dias depois, foi acusado de matar a família Vidal, em Ceilândia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG