Exclusivo Bolsonaro pode ter de responder por mais de 20 crimes

Acusado de prevaricação a charlatanismo, passando por epidemia, perigo de guerra ou "rachadinhas", o presidente sente-se para já blindado das investigações a correr no Supremo, na Câmara dos Deputados ou no Senado. Mas tudo pode mudar, dizem especialistas

Na terça-feira, dia 17, Jair Bolsonaro foi acusado de falsificação de documentos. Cinco dias antes, de partilhar informação sigilosa. Na véspera, de curandeirismo e charlatanismo. Dia 2, fora incluído num inquérito que apura fake news a propósito do voto eletrónico usado nas eleições. Só em agosto, portanto, o presidente da República do Brasil tornou-se suspeito de praticar quatro crimes na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado, no Supremo Tribunal Federal (STF), no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Contabilizadas, as investigações já ultrapassam as duas dezenas.

"Não aceitarei intimidações: vou continuar exercendo o meu direito de cidadão, de liberdade de expressão, de criticar, de ouvir, e atender, acima de tudo, a vontade popular", reagiu Bolsonaro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG