Biden vai retirar todas as tropas americanas do Afeganistão até 11 de setembro

Forças norte-americanas vão iniciar uma retirada ordenada antes de 1 de maio

O presidente Joe Biden retirará todas as tropas americanas que ainda estão no Afeganistão antes de 11 de setembro, data do 20.º aniversário dos ataques de 2001, encerrando a guerra mais longa dos EUA cerca de cinco meses depois do planeado, informou uma autoridade americana.

"Iniciaremos uma retirada ordenada das forças restantes antes de 1 de maio e planeamos ter retirado todas as tropas americanas do país antes do 20.º aniversário do 11 de setembro", disse aos jornalistas, garantindo que essa partida será "coordenada" e simultânea com a das outras forças da NATO.

"Dissemos aos talibãs, sem qualquer ambiguidade, que responderemos energicamente a qualquer ataque a soldados americanos enquanto durar a retirada ordenada e segura", acrescentou, sob condição de anonimato.

Apesar dos temores crescentes de que os talibãs possam obter financiamento do governo de Cabul, Biden não vincula a retirada das tropas a esse receio.

"O presidente julgou que uma abordagem baseada nas condições, que tem sido a abordagem nas últimas duas décadas, é uma receita para ficar no Afeganistão para sempre", disse a autoridade, pedindo uma mudança nas prioridades dos EUA.

Os Estados Unidos concluíram, em fevereiro de 2020, no Qatar, um acordo histórico com os talibãs, que prevê a retirada de todos os soldados norte-americanos até 01 de maio em troca de garantias de segurança e da abertura de negociações diretas entre os rebeldes e as autoridades de Cabul. Na altura, o presidente norte-americano ainda era Donald Trump.

As negociações inter-afegãs começaram em setembro, em Doha, mas estão paradas e os combates intensificaram-se no campo, especialmente nas áreas rurais.

A administração Biden também considera que os talibãs não mantiveram o compromisso de abandonar permanentemente a sua ligação a grupos 'jihadistas', como a Al-Qaeda.

Apenas 2500 soldados norte-americanos permanecem no Afeganistão, onde os Estados Unidos intervieram militarmente após os ataques de 11 de setembro de 2001 contra as torres gémeas, em Nova Iorque.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG