Autoridades ucranianas acusam militares russos de bombardearem central nuclear

Operadora estatal de energia nuclear ucraniana Energoatom diz que "uma poderosa explosão ocorreu a apenas 300 metros dos reatores" da central de Pivdennonooukrainsk, no sul do país.

A operadora estatal de energia nuclear ucraniana Energoatom acusou esta segunda-feira a Rússia de ter bombardeado a zona em que está localizada a central de Pivdennonooukrainsk, no sul do país, manifestando mais uma vez receio de um incidente nuclear.

"Em 19 de setembro de 2022, às 00:20, horário local (22:20 de domingo em Lisboa), o Exército russo bombardeou a zona industrial da central nuclear de Pivdennonooukrainsk", afirmou a Energoatom na rede social Telegram.

"Uma poderosa explosão ocorreu a apenas 300 metros dos reatores", disse a operadora.

"Atualmente, os três reatores da central estão a operar em modo regular", assegurou a operadora pública, acrescentando que o bombardeamento não causou mortos ou feridos.

O ataque fez explodir uma centena de janelas no edifício da central e provocou um breve corte de três linhas de alta tensão na central, segundo a mesma fonte.

"A Rússia está a colocar o mundo inteiro em perigo. Devemos parar com isso antes que seja tarde demais", disse o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, no Telegram, que divulgou também um vídeo de vigilância em preto e branco a mostrar uma grande explosão.

Outra central nuclear ucraniana, a de Zaporijia, a maior da Europa e ocupada por tropas russas, já havia sido alvo de bombardeamentos nos últimos meses, causando grande preocupação nos países ocidentais.

A central nuclear de Zaporijia foi novamente ligada à rede elétrica ucraniana, indicou no sábado a Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA), após ter ficado privada de eletricidade, o que aumentava o risco de um acidente nuclear.

Desde que foi desligada da rede elétrica do país, a central, alvo de bombardeamentos nas últimas semanas, de que russos e ucranianos se acusam mutuamente, e cujos reatores foram parados, só contava com uma fonte de alimentação - a central térmica - para assegurar o arrefecimento das suas instalações. O risco era que essa fonte de alimentação fosse também cortada.

Situada no sul da Ucrânia, sobre o rio Dniepre, a central passou para o controlo das forças russas em março e os bombardeamentos das suas instalações fizeram temer uma catástrofe nuclear.

Uma equipa de especialistas da AIEA, agência nuclear especializada da ONU, conseguiu lá deslocar-se no início de setembro, fazendo cerca de 120 quilómetros por estrada no meio de fogo cruzado, e dois dos seus elementos ficaram lá para manterem uma vigilância permanente às suas condições de funcionamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG