Polícia alemã diz ter impedido ataque armado da extrema-direita ao parlamento

Foram detidas 25 pessoas suspeitas "de terem feito preparativos concretos para entrarem violentamente, com um pequeno grupo armado, no Bundestag", a câmara baixa do parlamento alemão.

DN/Lusa
Reichstag, edifício onde está localizada a câmara baixa do parlamento alemão (Bundestag)© John MACDOUGALL / AFP

A Procuradoria-geral da Alemanha anunciou esta quarta-feira ter desmantelado uma célula de um grupo de extrema-direita que planeava ataques armados, incluindo contra o parlamento, numa operação que levou à detenção de 25 pessoas.

Os procuradores disseram, em comunicado, que os detidos são suspeitos "de terem feito preparativos concretos para entrarem violentamente, com um pequeno grupo armado, no Bundestag", a câmara baixa do parlamento alemão.

Cerca de três mil agentes participaram na operação policial, que incluiu buscas em 130 locais em 11 dos 16 estados da Alemanha, contra o movimento Cidadãos do Reich.

O grupo, que rejeita a Constituição implementada depois da Segunda Guerra Mundial e apela ao derrube do governo, terá sido formado em 2021.

A Procuradoria-geral da Alemanha disse que 22 alemães foram detidos sob suspeita de "filiação numa organização terrorista". Três outras pessoas, incluindo um russo, são suspeitas de apoiar a organização.

Uma pessoa foi detida na cidade austríaca de Kitzbuehel e outra na cidade italiana de Perugia, referiu ainda o comunicado.

De acordo com o jornal alemão Der Spiegel, as buscas incluíram o quartel da KSK, a unidade de forças especiais da Alemanha, na cidade de Calw, no sudoeste do país.

A KSK já tinha sido alvo de investigação no passado devido a alegadamente ter entre os soldados simpatizantes da extrema-direita.

Os membros do Cidadãos do Reich acreditam numa "série de teorias da conspiração", incluindo a "ideologia QAnon", segundo os procuradores alemães.

QAnon é o nome de perfil de um utilizador anónimo que publicou, num fórum da Internet, informações falsas, nas quais alegou ter acesso a dados de agências de segurança dos Estados Unidos sobre um grupo liderado por uma elite corrupta formada por pedófilos satanistas que sequestravam e sacrificavam crianças.

Esta teoria tem muitos adeptos no Partido Republicano norte-americano.

Rússia nega envolvimento

A embaixada de Moscovo em Berlim disse hoje não ter qualquer relação com organizações "terroristas" na Alemanha, poucas horas depois do anúncio da neutralização de um grupúsculo que supostamente preparava perturbar instituições alemãs.

"As representações diplomáticas e consulares russas na Alemanha não mantêm qualquer tipo de contactos com representantes de grupos terroristas ou formações ilegais", indicou hoje a embaixada de Moscovo em Berlim citada pelas agências russas Ria Novosti e Tass.