Baleia engoliu pescador....e depois cuspiu-o

Experiência terá durado cerca de 30 segundos. Cientistas dizem que nunca viram nada assim no comportamento de uma baleia jubarte. Pescador está bem.

João Pedro Henriques
Michael Packard recuperando no hospital do susto que apanhou a 15 metros de profundidade quando pescava lagostas© DR

Michael Packard, um pescador de lagostas de Cape Cod (costa de Provincetown, no Massachusetts, EUA) com 40 anos de experiência profissional, sobreviveu sexta-feira, enquanto mergulhava, a uma experiência que nunca mais esquecerá.

"Desci a cerca de 15 metros de profundidade e, de repente, senti um enorme solavanco e tudo escureceu", disse Packard à WBZ, a estação televisiva local afiliada da CNN.

'' Oh, meu Deus, acabei de ser mordido por um tubarão!" foi o seu primeiro pensamento. Mas logo a seguir percebeu que não: "Tateei e percebi que não havia dentes e não senti, realmente, nenhuma grande dor".

E só então percebeu: "Meu Deus, estou na boca de uma baleia! Estou na boca de uma baleia e ela está a tentar engolir-me!"

Packard, um mergulhador experiente, disse a WBZ que ainda estava com seu aparelho de respiração na boca quando a baleia o engoliu. Pensou que conseguia respirar mas que mais tarde ou mais cedo o ar da botija se esgotaria.

"Pensei comigo mesmo: OK, é isso, vou morrer. E pensei nos meus filhos e na minha esposa ", disse ele. "Não havia como sair de lá."

Depois terão passado aí uns 30 segundos, nas estimativas do pescador de lagostas. "De repente, a baleia subiu à superfície e simplesmente explodiu e começou a balançar a cabeça", disse Packard. "Fui cuspido para o ar e caí na água. Não consigo acreditar. E estou aqui para contar."

Packard foi retirado da água por um membro da sua tripulação, levado para a praia e depois transportado de urgência a um hospital próximo. No final, disse que estava "todo amassado, mas inteiro".

O biólogo Jooke Robbins, diretor de Estudos de Baleias Jubarte no Centro de Estudos Costeiros de Provincetown, disse que o encontro incomum foi provavelmente um acidente. "Não vemos baleias jubarte fazendo algo assim normalmente", disse Robbins à CNN. "Acho que foi uma surpresa para todos os envolvidos" - ou seja, para o pescador mas também para o próprio cetáceo.

Robbins disse que as baleias jubarte , também conhecidas como baleia corcunda ou baleia cantora, costumam-se envolver na chamada "alimentação por estocada": uma baleia em movimento rápido tenta reunir na boca um grande volume de comida rapidamente. E "quando elas fazem isso, necessariamente não vêem tudo".

Robbins acrescentou que Packard dificilmente seria engolido. Apesar das suas bocas enormes, as gargantas das baleias jubarte não são grandes o suficiente para um ser humano adulto passar.

Charles Mayo, também biólogo marinho do Centro de Estudos Costeiros, concorda. "É um pouco como sentar-se para uma refeição realmente boa e aparecer-lhe uma mosca dentro da boca", disse à CNN.

Mayo disse ainda que o seu filho, Josiah, é o capitão do barco de Packard e portanto responsável por rastrear os movimentos do mergulhador, pela visualização das bolhas de ar que emite ao respirar através de uma botija de oxigénio. Estava lá quando seu filho trouxe Packard para terra e os serviços de emergência o imobilizaram e levaram para o hospital.

Este cientista também não se lembra de uma situação em que um pescador acaba na boca de uma baleia. E acrescenta que Packard esteve em perigo real, se não pela garganta da baleia pelo menos pela pressão do ar nos seus pulmões quando a baleia emergiu à superfície para o cuspir para cuspí-lo. "Se você atingir a pressão atmosférica e prender a respiração poderá desenvolver uma embolia", disse Mayo.

Mas Packard - prosseguiu - "deve ter mantido a calma". "Para sair de uma situação como essa tem de se ser um profissional de ponta", disse Mayo. Concluindo: "Ele ainda anda por aí porque é inteligente. É um tipo inteligente, duro e sortudo."