A história da mensagem numa garrafa que atravessou o Atlântico e foi encontrada nos Açores

Rapaz de Rhode Island enviou missiva por mar em 2018. Três anos depois foi encontrada por um luso-americano a mais de 4280 Km.

Uma mensagem numa garrafa uniu dois adolescentes separados pelo Oceano Atlântico, ao fim de três anos. A história já está a correr mundo. Um rapaz norte-americano atirou uma garrafa ao mar na esperança de que alguém a encontrasse... e ela foi encontrada por outro rapaz nos Açores.

Em 2018, talvez aborrecido por não ter grande coisa que fazer Rhode Island, no leste dos EUA, durante o feriado nacional (25 de Novembro), Sean Smith, de 16 anos, resolver enviar um papel com uma espécie de recado numa garrafa e atirá-la ao mar. A mensagem dizia: "É Dia de Ação de Graças. Tenho 13 anos e estou a visitar a família em Rhode Island. Sou de Vermont. Se for encontrado, envie um e-mail para a messageinabottle2018@gmail.com."

Três anos depois, há cerca de três semanas a mensagem foi encontrada a mais de 3 mil milhas (4820 km) de distância... nos Açores. Christian Santos, de 17 anos, descobriu a garrafa no meio Atlântico e, segundo contou ao jornal Boston Globe, viu a garrafa enquanto pescava com o primo em águas rasas do arquipélago, onde regularmente apanha lixo: "Peguei na garrafa e vi que tinha um papel lá dentro. Achei interessante e fui mostrar à minha mãe."

A mãe dele, Molly Santos, percebeu que o bilhete era de Massachusetts, onde Christian tinha nascido antes da família se mudar para os Açores. Curiosos para saber mais sobre o autor da mensagem, Christian e a mãe decidiram seguir as instruções da garrafa e enviaram um e-mail, mas, ao fim de três anos, o autor da mensagem já tinha perdido as esperanças de ter resposta e tinha deixado de verificar a caixa de correio eletrónico que tinha criado para o efeito.

E só quando viu a notícia publicada, depois de Molly a ter revelado nas redes sociais e a Imprensa se ter interessado pela história, teve conhecimento. "A minha primeira reação foi tipo: que diabos?", disse à BBC, antes de explicar que aquela foi uma das muitas garrafas que ele e os familiares atiraram ao oceano em 2018. "Algumas deles foram encontradas não muito tempo depois, mas, passado este tempo, eu já tinha esquecido completamente que tínhamos feito isso", disse Sean, que espera agora manter o contacto com o amigo açoriano... sem ser por mensagens em garrafas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG