11 de Setembro. Sobrevivente portuguesa evita regressar ao local da tragédia

Elisabete Alves, portuguesa natural de Angola emigrou com os pais para os EUA quando tinha nove anos e ocupava um cargo administrativo no "Windows on the World" um dos restaurantes na Torre Norte do World Trade Center.

A portuguesa Elisabete Alves sobreviveu aos atentados de 11 de Setembro, em Nova Iorque, por entrar atrasada no edifício do World Trade Center onde trabalhava mas evita regressar ao local onde perdeu 75 colegas de trabalho.

"Eu trabalhava no 'Windows on the World', nos andares 107 e 106. O meu escritório era no 106.º andar. Eu entrava sempre às 08:30 e nesse dia não apanhei o metro que costumava e esperei pelo próximo. Quando cheguei ao World Trade Center eram 8:50 da manhã (...) e quando cheguei à entrada comecei a ouvir barulhos", disse à Lusa Elisabete Alves.

"Pareciam tiroteios e um senhor apareceu a gritar para fugirmos e quando voltei outra vez à rua muita gente olhava para cima, em choque. Vi um dos prédios cheio de chamas e de fumo preto. As pessoas não falavam. Estavam em choque", recorda a portuguesa que conseguiu abandonar o edifício no momento da tragédia, a 11 de setembro de 2001.

"Um senhor ao meu lado começou a gritar. Eu percebi que era um corpo a cair. Virei-me e comecei a andar", relata.

Elisabete Alves, portuguesa natural de Angola emigrou com os pais para os Estados Unidos quando tinha nove anos e ocupava um cargo administrativo no "Windows on the World" um dos restaurantes mais famosos da cidade de Nova Iorque, na Torre Norte do World Trade Center.

"A minha companhia tinha mais ou menos 500 empregados. Perdemos 75 pessoas nesse dia", disse a portuguesa residente em Long Island, Estado de Nova Iorque, e que, 20 anos passados ainda evita deslocar-se ao local dos atentados, onde trabalhava todos os dias.

"Eu fui lá uma vez, oito ou nove meses depois e, depois de me casar, levei lá o meu filho. No dia 11 de setembro (sábado) vou ficar em casa. Nesse dia não gosto de sair. Depois disto fiquei com muita ansiedade e com ataques de pânico e tive de buscar tratamento", disse ainda Elisabete Alves.

No dia 11 de setembro de 2001, quatro aviões comerciais foram sequestrados por terroristas da Al Qaeda, sendo que dois aparelhos colidiram de forma intencional contra as Torres Gémeas do World Trade Center, Nova Iorque, que ruíram duas horas após o impacto.

O terceiro avião de passageiros colidiu no edifício do Pentágono, a sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, condado de Arlington, nos arredores de Washington D.C..

O quarto avião caiu num campo no Estado da Pensilvânia, depois de alguns passageiros e tripulantes terem tentado tomar o controlo do aparelho.

Não houve sobreviventes entre os passageiros dos aviões sendo que no total os ataques fizeram mais de três mil mortos.

Os ataques terroristas da Al-Qaida em território norte-americano, durante a Administração de George W. Bush, provocaram a intervenção militar dos Estados Unidos contra o Afeganistão que começou a 07 de outubro de 2001 e no dia 20 de março de 2003 a invasão do Iraque.

Atualmente ainda decorre o processo judicial contra cinco homens acusados de participação e planificação dos atentados.

O processo foi formalmente iniciado em fevereiro de 2008, por comissões militares dos Estados Unidos na base norte-americano de Guantánamo, em Cuba.

A primeira audiência decorreu a 05 de maio de 2012 e devem ser retomadas esta semana depois de uma suspensão devido à pandemia de covid-19.

Entretanto, o atual Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em plena crise provocada pela derrota norte-americana no Afeganistão, ordenou na semana passada a abertura de documentos classificados sobre a investigação do 11 de setembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG