Camionistas arriscam vida na estrada mais perigosa

Camionistas arriscam a vida para garantir o emprego e sobrevivência de suas famílias no troço Save-Muxúnguè, o mais tenso de Sofala, centro de Moçambique, fustigado por ataques armados contra viaturas, segundo depoimentos recolhidos hoje pela Lusa.

Hoje, um novo ataque contra um autocarro de passageiros, alegadamente por homens da Renamo, matou uma pessoa e feriu três.

"Continua muito arriscado atravessar o troço Save-Muxúnguè. É uma questão de vida ou morte enfrentar aquele troço, porque não tem escolha. Preciso de garantir o meu emprego e alimentar a minha família", disse à Lusa Paulo Sérgio, camionista, que transportava madeira para o porto da Beira.

A região centro de Moçambique, onde o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, vivia há um ano, agora fugitivo e em lugar incerto, em protesto contra a alegada ditadura da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), tem sido palco de confrontos entre o movimento e as forças de defesa e segurança.

Dois ataques contra viaturas foram registados esta semana no troço Save-Muxúnguè.

"Quando entras no troço não há sossego, incluindo da família que esta distante. Atravessas com muita tristeza porque não sabes a hora da ofensiva, pois os ataques ocorreram já com escoltas de militares. O alívio vem depois que chegar a um dos extremos", disse à Lusa Francisco Mudhumui, um camionista que prestou socorro as vítimas do ataque de hoje em Muxúnguè.

"Chovem chamadas de empregadores e familiares quando vamos entrar no troço e o mesmo acontece quando conseguimos sair do troço. Vive-se um clima tenso e mesmo pesado, precisa ter um peito para encarar o troço", precisou José Elias, camionista, afirmando que há colegas a deixarem a profissão devido ao ambiente de tensão.

Nem as escoltas militares de viaturas, ativadas pelo governo em abril, para garantir a segurança de pessoas e bens no "berço dos ataques", tem travado as ofensivas militares atribuídas aos guerrilheiros da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), maior partido da oposição, consegue parar este clima de medo neste troço de estrada.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG