Prova desportiva traz a Portugal grandes nomes da vela

Pelo segundo ano consecutivo, a Regata de Portugal vai animar Lisboa.

Vão estar oito equipas de diferentes países em prova: Portugal (2), França, Suécia, Austrália e Holanda (2). No comando das equipas portuguesas vão estar Jorge Lima, velejador olímpico e o único português já qualificado para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, e Helder Basílio. A equipa de Jorge Lima vai competir pela Rádio Comercial, enquanto que a equipa de Helder Basílio veste a camisola do Diário de Notícias.

A equipa de França terá aos comandos Damien Iehl e vai representar a Lusitania. O velejador Nicklas Dackhammar será o responsável pela equipa da Suécia, que vai envergar as cores da Makro. Da Austrália, virá Torvar Mirsky, que vai competir pela Gelpeixe, e da Holanda Odile Van Aanholt e Tobias Tanis, que vão correr pelo Sapo e TVI, respetivamente. A velejadora Sofia Toro estará ao comando da equipa espanhola com as cores da Nacional.

Os velejadores nacionais e internacionais vão competir diariamente em modo "Fleet Racing", a partir das 17h00 e terminam ao pôr do sol. Os barcos partem ao mesmo tempo e o que chegar em primeiro lugar fica com um ponto, o segundo com dois e assim sucessivamente. O objetivo no final é somar o menor número de pontos possível para subir o máximo na classificação geral.

Barcos icónicos da competição Tour de France à la Voile, os Diam 24 são considerados barcos tipo "Fórmula 1", pois estes trimarãs podem atingir velocidades de 45km por hora em menos de 10 segundos.

Pode também seguir de perto a competição através da APP Regata de Portugal desenvolvida pela everis, disponível na Apple Store e na Google Play Store. Desta forma os apaixonados da vela vão poder conhecer os percursos que os icónicos vão fazer ao longo do rio Tejo nesta segunda edição da Regata de Portugal, bem como acompanhar a evolução das classificações ao longo dos quatro dias de prova.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.