Um mar de experiências únicas na Regata de Portugal

De 3 a 7 de outubro, o Terminal de Cruzeiros de Lisboa recebe a Regata de Portugal, um evento inédito recheado de animação onde, para além de provas de vela, haverá ainda espaço para a música, a arte, a gastronomia e a sustentabilidade.

Celebrar a portugalidade é o objetivo da primeira edição da Regata de Portugal. Sob a temática do mar, um elemento que esteve sempre presente na história e ADN dos portugueses, o Terminal de Cruzeiros de Lisboa recebe um evento repleto de atividades de 3 a 7 de outubro. Celebrar a portugalidade é o objetivo da primeira edição da Regata de Portugal. Sob a temática do mar, um elemento que esteve sempre presente na história e ADN dos portugueses, o Terminal de Cruzeiros de Lisboa recebe um evento repleto de atividades de 3 a 7 de outubro. No dia 5 de outubro, a Regata de Portugal junta-se às comemorações especiais do dia da Implantação da República Portuguesa, contando com a presença do Navio Escola Sagres e a visita oficial do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa.

Um evento de entrada gratuita, que oferece a oportunidade única de assistir à etapa portuguesa da competição de vela do World Match Racing Tour. Bem perto da costa do rio Tejo, 12 equipas de velejadores, que reúnem o Top100 mundial, vão dar o seu melhor neste que é o mais importante circuito de vela profissional do mundo, a bordo dos seus velozes e ágeis catamarãs.

Enquanto os velejadores provam as suas habilidades no mar, em terra haverá animação para todos os gostos, com a temática do mar a servir como denominador comum: DJ Sets com vários nomes da música eletrónica portuguesa, exposições de arte com criações de artistas urbanos nacionais, atividades no Navio Escola Sagres e dois espaços gastronómicos comandados pelo Chef Vítor Sobral.

Com abertura do recinto às dez da manhã e encerrar à meia-noite, a Regata de Portugal promove 14 horas de festa por dia, num evento único que pretende receber um "mar de portugueses" no Terminal de Cruzeiros de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.