A Regata de Portugal volta com ainda mais espírito lisboeta

Contando com o patrocínio de marcas nacionais, o maior evento de vela nacional está de regresso ao Terminal dos Cruzeiros de Lisboa.

Depois de a primeira ter sido "a concretização de um sonho de anos", para o Fundador e Diretor da Regata de Portugal, Francisco Mello e Castro, a Regata de Portugal terá mais uma edição, que procurará ser ainda melhor do que a do ano passado.

De 30 de maio a 2 de junho, o Tejo será novamente o palco do evento, tornando-se no protagonista deste ano. Com o mote "O Tejo é um espetáculo", a edição de 2019 da Regata de Portugal convida os melhores velejadores do mundo a disputar o primeiro lugar no pódio com os trimarãs Diam 24, os icónicos barcos da competição Tour de France à la Voile. Embora a competição de fleet racing se dê nas águas, poderá ser observada bem de perto no Terminal dos Cruzeiros de Lisboa.

Tal como no ano anterior, o evento contará com o patrocínio de conhecidas marcas nacionais, mais especificamente: "Gel Peixe", "Nacional", "Everis" e "Lusitânia", que, no ano passado, deteve o barco vencedor, velejado pela equipa Spindrift Racing.

Desta forma, oito equipas nacionais e internacionais competem todos os dias, a partir das 17h e terminam ao pôr-do-sol, sempre acompanhadas de música e animação no palco flutuante, que é uma das grandes novidades da edição deste ano. No entanto, para celebrar o espírito dos Santos Populares, a seguir ao sunset, a festa continua no que promete ser o melhor Arraial do Rio Tejo. E o melhor é que pode acompanhar todas as provas e atividades em vários meios de comunicação social, nomeadamente na televisão, rádio e no digital.

Na edição de 2019 da Regata de Portugal vai, assim, criar-se um misto de animação, espírito lisboeta e muita essência portuguesa, que tanto caracteriza este que é o maior evento de vela nacional.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.