David Zipper: "Temos a tecnologia, mas não a estamos a utilizar"

David Zipper, professor na Universidade de Harvard, defendeu nesta edição do Mobi Summit que os fabricantes de automóveis têm de investir mais na tecnologia para a proteção dos peões. "Gastam-se fortunas nas tecnologias dos carros elétricos, mas não é utilizada a tecnologia para os tornar mais seguros para todos".

A tecnologia automóvel tem evoluído a um ritmo galopante, mas apesar dos avultados investimentos nesta área há quem esteja a ficar de fora no que diz respeito à segurança rodoviária. Quando se compra um carro pensa-se se é seguro para o condutor e os passageiros, mas ninguém questiona se o veículo é perigoso para quem está na rua. É nisto que acredita David Zipper, que tem publicado artigos sobre esta temática e deixou vários alertas ao início desta tarde.

"Foram desenvolvidas tecnologias para proteger as pessoas dentro dos carros, mas não para quem está lá fora. Gastam-se fortunas nas tecnologias dos carros elétricos, mas não é utilizada a tecnologia para os tornar mais seguros para todos", alertou, numa apresentação gravada, ao início desta tarde no palco 1 do Mobii Summit. "Temos a tecnologia, mas não a estamos a utilizar", reforçou.

Para o professor na Escola de Governo Kennedy da Universidade Harvard "não basta limitar a velocidade" e "cabe aos decisores políticos fazerem com que os fabricantes de automóveis utilizem a tecnologia para proteger quem está fora do carro".

"Trabalho numa cidade e num país com problemas gravíssimos para peões e ciclistas. Há, todos os anos, uma série de acidentes e de mortes provocadas por esses acidentes. Porque é que tendo tanta tecnologia disponível, porque é que não a aplicamos aos carros?", questionou, exemplificando ainda como se poderá viabilizar estas soluções.

"Porque é que não há uma tecnologia que permite o carro detetar que uma bicicleta está próxima e evitar o acidente? No fundo tudo se resume aos fabricantes de automóveis se centrarem mais nos peões. Não se investiu muito para melhorar esta indústria", considerou.

O também colunista da Bloomberg CityLab defendeu que é preciso investir-se mais nas tecnologias que detetam se o condutor está cansaço ou alcoolizado. "O carro pode não pegar se detetar que a pessoa está sob influencia de álcool ou drogas ou se está muito cansada. Isto é possível através de tecnologias que detetam o movimento dos olhos e da cabeça", explicou.

David Zipper lembrou ainda que "os fabricantes de automóveis americanos têm vindo a investir nisto, mas não tem sido uma grande prioridade para eles", apesar de "morrerem pessoas todos os dias (nos EUA) por causa da condução sob efeito de álcool".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG