Quase 90% dos fundos de investimento de baixo risco perdem dinheiro

Juros negativos em produtos que são alternativa aos depósitos levaram a resgates de centenas de milhões de euros.

Têm pouco risco. Mas nem assim evitam perdas. Quase nove em cada dez fundos de investimento considerados seguros, de gestoras portuguesas, perdem dinheiro neste ano. Em 56 produtos com classe de risco baixa, apenas sete rendem mais de 0% desde o início do ano. A culpa é das taxas de juro negativas em aplicações tidas como mais seguras, como dívida de curto prazo e obrigações de entidades com ratings de qualidade.

Nos fundos de investimento que têm menor risco, o desempenho desde o início do ano e 24 de agosto varia entre perdas de 2,26% e ganhos de 0,72%, segundo cálculos do DN/Dinheiro Vivo baseados nos dados mais recentes da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP). Dos 56 produtos nas duas classes de risco mais baixas (numa escala de um a sete) apenas sete rendem mais de 0%. Desses só dois valorizam neste ano mais de 0,50%. E nenhum dá ganhos acima da inflação: a taxa não harmonizada foi de 1,6% em julho.

Dos produtos que estão nos dois níveis de risco mais baixos, o Caixagest Obrigações Mais tem a pior prestação deste ano. Perde 2,18%. Este fundo aposta em dívida de empresas. Mas este produto, com um nível de risco 2, reserva também uma parte significativa do dinheiro para alocar em depósitos bancários. O problema é que essas aplicações feitas tanto na Caixa Geral de Depósitos como no BBVA rendem 0%.

E, mesmo nos fundos ainda mais defensivos, o cenário repete-se. O Crédito Agrícola Curto Prazo, por exemplo, está classificado no nível mais baixo de risco. Mas perde 0,64% desde o início do ano. Investe maioritariamente em depósitos, em dívida de grandes bancos internacionais e em papel comercial. Ativos que pouco ou nada rendem.

A perder 0,46% neste ano

Em média os fundos de curto prazo, que servem como alternativa aos depósitos bancários, perdem 0,46% neste ano. Entre os produtos nos dois níveis de menor risco estão ainda fundos de mercado monetário e de obrigações. Uma das explicações para estes desempenhos são as políticas do Banco Central Europeu (BCE). A autoridade monetária tem a taxa de referência em 0% e aplica um juro negativo de 0,40% para guardar dinheiro dos bancos.

Essas medidas não convencionais são uma das explicações para que taxas como a Euribor também estejam abaixo de 0%. E também levaram a que dívida de maior qualidade ou de curto prazo começasse a ter juros negativos.

O Tesouro português, por exemplo, consegue financiar-se com taxas negativas em Bilhetes do Tesouro (geralmente emissões a seis e a 12 meses), o que significa que os investidores perdem dinheiro. Aquelas decisões de choque do BCE foram tomadas durante a crise do euro para segurar a economia do bloco económico. E as taxas do banco central devem começar a subir no próximo ano.

A resposta dos investidores a estes desempenhos negativos dos fundos mais conservadores tem sido os resgates. Tiraram mais de 570 milhões de euros destes produtos entre o início do ano e final de julho, segundo os dados mais recentes da APFIPP.

Mas não são apenas os fundos mais seguros a perder dinheiro. Nos mais de 200 produtos comercializados por gestoras portuguesas (independentemente do risco), apenas 24% dão ganhos neste ano. O melhor desempenho é de fundos que apostam nas bolsas dos EUA. Ganham, em média, mais de 8%. Mas têm um nível de risco de entre 5 e 6, o que indicia que podem não ser adequados a investidores mais conservadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.