O eixo franco-alemão não existe

Tem sido o "motor" da integração europeia, mas o alinhamento entre França e Alemanha é hoje, no mínimo, contestável. Talvez por isso tenham acabado de propor mais uma "grande conferência sobre o futuro da Europa".

Há 60 anos que um alemão não presidia a Comissão Europeia. Na altura, pouco depois da assinatura do Tratado de Roma, da crise do Suez, da marcha soviética sobre Budapeste, a Alemanha Ocidental fechava o ciclo de reinserção europeia, pouco mais de uma década após a Segunda Guerra Mundial. A nomeação de Walter Hallstein para liderar a então Comissão na Comunidade Económica Europeia, ele que foi braço direito do chanceler Adenauer nas negociações de Roma, sinalizava ainda dois outros pontos, além da reinserção alemã: por um lado, uma visão de compromisso com Paris por passos no aprofundamento da integração europeia e, por outro, o triunfo da doutrina de isolamento da Alemanha de Leste, defendida por Hallstein. O alemão manteve-se no cargo entre 1958 e 1967, até o choque com o general De Gaulle e a ostpolitik do chanceler Brandt levarem a melhor. Desde então, nunca mais nenhum alemão presidiu a Comissão. Até Ursula Von der Leyen entrar amanhã em funções.

Isto não significa que Berlim não tenha sido preponderante nas escolhas e na sustentabilidade de vários presidentes, dinâmicas ajustadas com Paris que também ajudaram a definir os termos da ação europeia do eixo franco-alemão. Para não ser exaustivo, nem recuar muito no tempo, basta lembrar a importância dos alinhamentos entre o chanceler Kohl e o presidente Mitterrand para o trabalho da Comissão liderada por Jacques Delors, num período de alargamentos comunitários (Portugal, Espanha, Grécia, Áustria, Suécia, Finlândia) e alterações sistémicas profundas (reunificação alemã, fim do Pacto de Varsóvia e implosão da União Soviética). Ou ainda entre Merkel e Sarkozy para a sustentabilidade da Comissão Barroso perante o grande alargamento (12 novos Estados membros em apenas três anos) e as várias derivações da crise financeira, com impactos no euro e sobretudo na coesão entre várias geografias europeias. O sucesso de Von der Leyen dependerá, como sempre, da saúde do eixo franco-alemão e da força política que este imprimir numa visão minimamente comum, mas acima de tudo de sucesso, para a União Europeia. A verdade é, porém, muito diferente: a relação entre Paris e Berlim é disfuncional no tempo político, desfasada no método e desconectada na ambição.

A grande disfuncionalidade resulta do timing político das lideranças. Enquanto Macron chegou há pouco tempo ao poder, ainda por cima na ternura dos quarenta, Merkel está há 14 anos na chancelaria e em ocaso evidente. Além disso, o presidente francês, além da legitimidade política recente, tem uma maioria parlamentar confortável para lidar com os choques da legislatura. Em Berlim, a terceira versão da grande coligação está hoje mesmo a ser literalmente disputada no congresso do SPD, com uma das candidaturas a propor o fim dos acordos. Economicamente, a estagnação francesa parece caminhar em paralelo com uma possível recessão alemã, cenário ainda mais complicado se a situação política se deteriorar em Berlim nos próximos meses. Foi precisamente para mascarar as disfuncionalidades existentes e as mais que ficarem expostas que Macron e Merkel lançaram há dias a enésima grande conferência sobre o futuro da Europa, ciclos intermináveis de debates e auscultações nacionais que ligarão a presidência alemã da UE (2.º semestre de 2020) com a francesa (1.º semestre de 2022). Vale a pena lembrar que no meio delas é Portugal que assume o primeiro semestre de 2021, o que exige articulação extra e um alinhamento estratégico com o eixo.

O desfasamento no método encaixa aqui. Só quem não está alinhado nas reformas imperativas da UE a curto prazo, sobretudo num quadro pós-Brexit, é que propõe um ciclo de discussões macropolíticas a três anos. O mesmo se passa na NATO, com o ministro dos negócios estrangeiros alemão, Heiko Maas, a lançar a ideia de um "grupo de sábios" para discutir o futuro da Aliança. Como escreveu Jan Techau, quando os alemães não sabem o que fazer, costumam lançar para cima da mesa a ideia de um grupo de trabalho para estudar o assunto (parece que, afinal, portugueses e alemães têm mais em comum do que parece). Não é, entendamo-nos, a ideia de um debate alargado que preocupa, mas a demonstração de falta de vontade e capacidade política para levar a cabo um roteiro já alvo de discussões intensas, diagnósticos espremidos, prescrições debatidas e anúncios engalanados. Se Macron é o espalha-brasas dos vários debates europeus (moeda única, alargamento, Rússia, defesa europeia, NATO, islão), Merkel é a encriptada gestora de crises, oficialmente resignada ao statu quo comunitário.

A desconexão na ambição está aqui e é, atualmente, profunda e cristalizada. Declarações entre ministros das Finanças ou de chefes de Estado em cimeiras bilaterais recorrentes não fazem delas roteiros de reforma política na Europa. A gestão das expectativas é também um problema político a resolver. O primeiro teste vai ocorrer já a 3 e 4, na cimeira da NATO em Londres, naquilo que se prevê um turbilhão de tentações, com uns quantos aliados a quererem celebrar os 70 anos da Aliança sem querelas e, outros, a começar por Trump, passando por Erdogan e acabando em Macron, mortinhos por lançar lenha nas fraturas (e nas faturas, também) cada vez mais profundas. O segundo, no dia 9, em Paris, quando o modelo Normandia regressar após três anos, para tentar um caminho sério com a Rússia (espera-se que não condescendente) sobre a situação na Ucrânia. Sem a presença oficial da UE, Paris e Berlim têm responsabilidade partilhada no reforço dos roteiros de Minsk e na assertividade com Moscovo. O terceiro, quando o Conselho Europeu se reunir a 12 e 13, em cima das legislativas britânicas, para dirimir, entre outros assuntos, a reta final do próximo orçamento, a coordenação com a nova Comissão e a última fase da saída no Reino Unido, antes do período de transição começar.

Se pensavam que o ano já estava a dar as últimas, enganaram-se. A má notícia é que França e Alemanha estão longe de partilhar uma visão comum indispensável aos grandes desafios europeus que se aproximam. E este é, provavelmente, o debate mais importante para o futuro próximo de Portugal.

Investigador universitário

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...