Valor das casas sobe mais de 40% na periferia de Lisboa

Desde os valores mínimos registados em 2013, é em Odivelas e na Amadora que as avaliações das casas pelos bancos mais sobem.

Lisboa continua a ser a cidade com as casas mais caras do país. Mas desde os valores mínimos de 2013, o valor da habitação sobe bem mais depressa na periferia do que na capital. Em Odivelas, Amadora, Oeiras e Almada os bancos aumentaram em mais de 45% a avaliação que fazem dos imóveis residenciais. O ritmo de subida é mais do dobro da média nacional, que se situa em 20% no mesmo período.

Além daqueles municípios, também em Almada e Cascais o valor que os bancos atribuem às casas sobe mais de 40%. Na cidade de Lisboa essa valorização é de 24,5%, segundo cálculos do Dinheiro Vivo baseados em dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Apesar da subida mais expressiva na periferia, as avaliações ainda estão longe das registadas no concelho de Lisboa. Os bancos dão um valor médio de 2216 euros por metro quadrado na capital. É quase o dobro da média nacional que, em julho, bateu um novo recorde nos 1187 euros.

No resto da área metropolitana, apenas Oeiras e Cascais ultrapassam a fasquia dos dois mil euros. Na Amadora e em Almada a avaliação média ainda fica 30% abaixo do verificado em Lisboa. Para uma casa de cem metros quadrados a avaliação média é de menos de 160 mil euros naqueles dois concelhos. Na capital é de 221 600 euros.

Porto também com subidas acima da média

Na Área Metropolitana do Porto a avaliação também tem subidas expressivas, se bem que mais moderadas do que na periferia de Lisboa. Na Invicta o valor das casas sobe 33,1% para 1710 euros. Em Matosinhos e na Maia os bancos também estão a avaliar as casas a um preço 30% acima do que em março de 2013. Nesses concelhos os imóveis para habitação estão avaliados acima da média nacional.

Mas em cidades como Vila Nova de Gaia, Braga e Leiria o valor do metro quadrado é inferior ao da média do país. No inquérito à avaliação bancária na habitação, o INE recolhe informação junto das oito maiores instituições financeiras sobre os valores que atribuem a imóveis que serão alvo de financiamento.

A subida da avaliação que os bancos fazem dos imóveis reflete a subida expressiva que os preços das casas têm tido nos últimos cinco anos. O Banco de Portugal alertou recentemente que existem sinais de sobrevalorização. E explicava a valorização das casas com a melhoria do rendimento das famílias, juros baixos e com a maior disponibilidade dos bancos para concederem empréstimos à habitação.

Além disso, o supervisor referia que o interesse de estrangeiros e a forte dinâmica do turismo, nomeadamente do alojamento local, estavam também a levar a aumentos nos valores do imobiliário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?