Premium Passear o cão negro

Não tenho um cão, nunca tive, mas tenho um cão, sempre tive.

A metáfora do cão negro para designar a depressão foi popularizada por Winston Churchill que afirmava que o animal o acompanhava para todo o lado e chegava mesmo a adormecer no seu colo, numa espécie de angústia íntima e familiar. Antes dele já Samuel Johnson usara a mesma expressão numa carta a um amigo e há até quem tenha encontrado a imagem na poesia de Horácio. O cão negro é antigo, assim como a depressão.

Nunca me foi diagnosticada, mas desconfio que já me emaranhei nas suas patas. Foi há muito tempo, no rescaldo atrasado de um luto precoce. O meu cão negro não ladrava nem mordia, mas deitava-se e acordava comigo, pousava o corpo pesado no meu peito e alimentava-se vorazmente de sonhos e vontades.

Com o tempo fui-lhe conhecendo os hábitos e as manhas, aprendi a domesticá-lo. O meu cão negro (cada um terá o seu) só se distrai se lhe conto histórias ou se o levo a passear. Foi assim que comecei a escrever, a inventar histórias para o cão, tramas e personagens que o possam divertir ou emocionar. Muitas delas são chamarizes, homens obscuros e mulheres conturbadas, vítimas sacrificiais para o meu cão. Enquanto ele vai e não volta eu vou vivendo a minha vida, sorrindo às vezes, mas sempre espreitando por cima do ombro, à cata da sombra vagarosa, temendo o pôr do Sol. Porque à noite todas as sombras são cão.

Quando me falta a imaginação ou me vejo vencido pelo cansaço, resigno-me e levo-o a passear pelo bairro dos Anjos.

Dirá o cão negro que é ele que me leva a mim.

Damos voltas lentas pelas ruas e travessas e vamos saudando os outros bichos e os respetivos donos. Mesmo sem eu ter trela ou o saco de plástico na mão, os meus vizinhos sabem bem ao que vou, há certamente um olhar que me denuncia, pequenas pausas, algum gesto, talvez a cadência do passo. Eles sabem e reconhecem-me, a pouco e pouco talvez me vão aceitando.

"Olha, Rajá, é mais um que veio passear o cão."

Escritor, diariamente online

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.