Premium Passear o cão negro

Não tenho um cão, nunca tive, mas tenho um cão, sempre tive.

A metáfora do cão negro para designar a depressão foi popularizada por Winston Churchill que afirmava que o animal o acompanhava para todo o lado e chegava mesmo a adormecer no seu colo, numa espécie de angústia íntima e familiar. Antes dele já Samuel Johnson usara a mesma expressão numa carta a um amigo e há até quem tenha encontrado a imagem na poesia de Horácio. O cão negro é antigo, assim como a depressão.

Nunca me foi diagnosticada, mas desconfio que já me emaranhei nas suas patas. Foi há muito tempo, no rescaldo atrasado de um luto precoce. O meu cão negro não ladrava nem mordia, mas deitava-se e acordava comigo, pousava o corpo pesado no meu peito e alimentava-se vorazmente de sonhos e vontades.

Com o tempo fui-lhe conhecendo os hábitos e as manhas, aprendi a domesticá-lo. O meu cão negro (cada um terá o seu) só se distrai se lhe conto histórias ou se o levo a passear. Foi assim que comecei a escrever, a inventar histórias para o cão, tramas e personagens que o possam divertir ou emocionar. Muitas delas são chamarizes, homens obscuros e mulheres conturbadas, vítimas sacrificiais para o meu cão. Enquanto ele vai e não volta eu vou vivendo a minha vida, sorrindo às vezes, mas sempre espreitando por cima do ombro, à cata da sombra vagarosa, temendo o pôr do Sol. Porque à noite todas as sombras são cão.

Quando me falta a imaginação ou me vejo vencido pelo cansaço, resigno-me e levo-o a passear pelo bairro dos Anjos.

Dirá o cão negro que é ele que me leva a mim.

Damos voltas lentas pelas ruas e travessas e vamos saudando os outros bichos e os respetivos donos. Mesmo sem eu ter trela ou o saco de plástico na mão, os meus vizinhos sabem bem ao que vou, há certamente um olhar que me denuncia, pequenas pausas, algum gesto, talvez a cadência do passo. Eles sabem e reconhecem-me, a pouco e pouco talvez me vão aceitando.

"Olha, Rajá, é mais um que veio passear o cão."

Escritor, diariamente online

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.