"Não se pode dizer eu só batizo o teu filho se te casares pela igreja"

O que pensa o novo cardeal sobre a fé de hoje? Sobre o que se diz a pais que querem batizar os filhos e não são casados, sobre o que se diz a um crente recasado? E aos políticos? As principais ideias que D. António Marto defendeu num almoço com o DN

Doutorado em Teologia, D. António Marto é tido como um homem de trato fácil, simples, que não gosta de falar de improviso e se prepara até ao ínfimo pormenor para tudo. É conhecido como um dos que eram céticos em relação ao fenómeno de Fátima, mas, diz, que tudo mudou quando participou num congresso e teve de estudar a fundo a mensagem de Fátima e percebeu o seu significado. Nos últimos tempos, tem-se revelado como um dos próximos das ideias do Papa Francisco, que lhe disse que o cardinalato foi "uma carícia de Nossa Senhora". O pensa o novo cardeal sobre algumas das questões da atualidade.

Batismo

O que se diz a uns pais que não são casados pela Igreja e querem batizar o filho? A resposta surge facilmente: "Podemos encarar a situação como uma oportunidade para acolher aquele casal, mas não com chantagem", atira de imediato. "Não se pode dizer eu só batizo o teu filho se te casares pela igreja. Isso é retirar liberdade à pessoa. Mas pode ser a oportunidade para lhes oferecer um caminho de fé", remata.

Recasados

À pergunta sobre o que dizer a um católico que viu o casamento fracassar e se divorcia, D. António Marto responde com a exortação do Papa Amoris laetitia, que diz ser um texto "muito belo". Mas não tem dúvida de que quando há fracasso, estes católicos "continuam a pertencer à família, não podem ser excomungados, depois há todo um itinerário de discernimento pessoal e pastoral que podem fazer." Chegar ao ponto de celebrar novo matrimónio, não. Agora, uma maior integração na comunidade cristã pode e deve haver.

Sobre se há uma crise de fé ou não, diz: "Antigamente, combatia-se o ateísmo marxista, sabia-se com o que se lidava, Hoje, o problema em relação à fé é a indiferença religiosa. É o pensar-se que: 'Passo bem sem isto, não me diz nada.'"

Educação

Um dos desafios da Igreja é a educação. "É procurar novos horizontes educativos que permitam abrir a mente e o coração à sociedade e aos outros. E nisto a Igreja não pode ficar de braços cruzados."

Catequese

A dimensão da catequese tem de ser revista, em nome de se fazer passar uma mensagem que não está a ser conseguida. Antes a fé era passada como tradição, hoje isso acabou. A juventude exige uma dimensão espiritual mais profunda. "Tornámos a catequese semelhante à escola, não pode ser. Temos de a tornar mais vivencial, experiencial, de a adaptar aos ritmos das famílias. A questão já foi discutida na Conferência dos Bispos e foi decidido que a sua dimensão terá de ser revista."

Fátima

Antigamente era um cético relativamente a Fátima. Depois, "por uma circunstância ocasional, tive de participar num congresso sobre e tive de estudar a fundo o que significava a mensagem de Fátima. Passei a vê-la com um novo olhar. Escrevi um artigo e acho que foi isso que levou o Papa Bento XVI a enviar-me para aqui".

Política

Diz que é preciso estabelecer pontes de diálogo com todos, até para responder à agressividade. "Vivemos numa sociedade demasiado ideologizada pelos partidos, falta encontrar consensos no que é fundamental para podermos caminhar juntos, respeitando as diferenças. É o que o Papa tem feito, virando-se para a China, para o mundo islâmico. Se não houver diálogo interreligioso, se não houver paz nas religiões também não há paz no mundo." E critica: "A política de hoje é a dos mais fortes sobre os mais fracos."

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.