"Não se pode dizer eu só batizo o teu filho se te casares pela igreja"

O que pensa o novo cardeal sobre a fé de hoje? Sobre o que se diz a pais que querem batizar os filhos e não são casados, sobre o que se diz a um crente recasado? E aos políticos? As principais ideias que D. António Marto defendeu num almoço com o DN

Doutorado em Teologia, D. António Marto é tido como um homem de trato fácil, simples, que não gosta de falar de improviso e se prepara até ao ínfimo pormenor para tudo. É conhecido como um dos que eram céticos em relação ao fenómeno de Fátima, mas, diz, que tudo mudou quando participou num congresso e teve de estudar a fundo a mensagem de Fátima e percebeu o seu significado. Nos últimos tempos, tem-se revelado como um dos próximos das ideias do Papa Francisco, que lhe disse que o cardinalato foi "uma carícia de Nossa Senhora". O pensa o novo cardeal sobre algumas das questões da atualidade.

Batismo

O que se diz a uns pais que não são casados pela Igreja e querem batizar o filho? A resposta surge facilmente: "Podemos encarar a situação como uma oportunidade para acolher aquele casal, mas não com chantagem", atira de imediato. "Não se pode dizer eu só batizo o teu filho se te casares pela igreja. Isso é retirar liberdade à pessoa. Mas pode ser a oportunidade para lhes oferecer um caminho de fé", remata.

Recasados

À pergunta sobre o que dizer a um católico que viu o casamento fracassar e se divorcia, D. António Marto responde com a exortação do Papa Amoris laetitia, que diz ser um texto "muito belo". Mas não tem dúvida de que quando há fracasso, estes católicos "continuam a pertencer à família, não podem ser excomungados, depois há todo um itinerário de discernimento pessoal e pastoral que podem fazer." Chegar ao ponto de celebrar novo matrimónio, não. Agora, uma maior integração na comunidade cristã pode e deve haver.

Sobre se há uma crise de fé ou não, diz: "Antigamente, combatia-se o ateísmo marxista, sabia-se com o que se lidava, Hoje, o problema em relação à fé é a indiferença religiosa. É o pensar-se que: 'Passo bem sem isto, não me diz nada.'"

Educação

Um dos desafios da Igreja é a educação. "É procurar novos horizontes educativos que permitam abrir a mente e o coração à sociedade e aos outros. E nisto a Igreja não pode ficar de braços cruzados."

Catequese

A dimensão da catequese tem de ser revista, em nome de se fazer passar uma mensagem que não está a ser conseguida. Antes a fé era passada como tradição, hoje isso acabou. A juventude exige uma dimensão espiritual mais profunda. "Tornámos a catequese semelhante à escola, não pode ser. Temos de a tornar mais vivencial, experiencial, de a adaptar aos ritmos das famílias. A questão já foi discutida na Conferência dos Bispos e foi decidido que a sua dimensão terá de ser revista."

Fátima

Antigamente era um cético relativamente a Fátima. Depois, "por uma circunstância ocasional, tive de participar num congresso sobre e tive de estudar a fundo o que significava a mensagem de Fátima. Passei a vê-la com um novo olhar. Escrevi um artigo e acho que foi isso que levou o Papa Bento XVI a enviar-me para aqui".

Política

Diz que é preciso estabelecer pontes de diálogo com todos, até para responder à agressividade. "Vivemos numa sociedade demasiado ideologizada pelos partidos, falta encontrar consensos no que é fundamental para podermos caminhar juntos, respeitando as diferenças. É o que o Papa tem feito, virando-se para a China, para o mundo islâmico. Se não houver diálogo interreligioso, se não houver paz nas religiões também não há paz no mundo." E critica: "A política de hoje é a dos mais fortes sobre os mais fracos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.