"Adeus, futuro": A irmandade da solidão

Uma amiga contou-me que, por ser filha única, em pequena brincava muitas vezes ao espelho para fingir que estava mais alguém ali com ela - coisa tão triste que nem consigo figurar. Eu cá fui abençoada com três irmãos e, tirando o mais velho, que faz quase dez anos de diferença de mim, brincámos dentro e fora de casa a tudo o que se possa imaginar. Entre engraxar uns sapatos do meu pai com brilhantina (ficaram de verniz!), operar lagartas das couves ao apêndice (que o PAN não nos ouça), ensaiar teatradas para cobrar bilhetes aos adultos e comprar prédios no Rossio e na Rua Augusta à volta de uma mesa, sempre nos divertimos imenso juntos, e até as zaragatas faziam parte da nossa irmandade. Quando se tratava de brincar aos pais e às mães, por exemplo, os meus irmãos eram a mãe e o pai de filhos diferentes, porque nunca chegavam a acordo sobre os nomes dos bebés (ela queria Lourenços e Caetanas, ele continuava a apostar nos Pedros e Teresinhas); e eu, por via dessa multiplicação de crianças (e de ser a mais nova), era remetida para o papel de empregada doméstica e chamada a fazer sopas e papinhas a toda a hora, o que provavelmente contribuiu para que detestasse, até hoje, cozinhar. Também me lembro de replicarmos a série televisiva Daktari, sobre um veterinário em África, e de o meu irmão fazer de leão (comia pão com sal grosso a fingir de carne crua) e eu me deslocar como a Judy na perfeição (entre nós e os chimpanzés, a diferença também não é grande). Mas nem sempre éramos macacos de imitação e, por vezes, inventávamos brincadeiras bem originais: a minha irmã teve a perna engessada durante um tempo; e, já ela estava boa, um de nós fazia de gesso, enrolando-se-lhe na perna e deixando-se arrastar corredor fora sem cair. A minha avó dizia que era pecado, que não devíamos brincar com coisas sérias. Mas era tão divertido.

No último Verão, numa piscina aonde costumo ir de vez em quando, estavam dois casais nórdicos ainda jovens mas já com uma catrefada de filhos (quatro por família, mostrando que onde há qualidade de vida não há problemas de natalidade). Porém, à excepção dos dois mais pequenos, ainda de fraldas e nas cadeirinhas, as outras seis criaturas passaram a manhã sem ir ao banho, debaixo do guarda-sol, cada uma virada para o seu aparelhinho, nunca sequer trocando um olhar ou uma palavra com os mal-empregados manos ali ao lado. Que dizer desta nova espécie de irmandade? Adeus, futuro.


Editora e escritora, escreve de acordo com a antiga ortografia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.