Preparem-se

Antes de encontrar alguém disposto a aturar-me, vivi 17 anos sozinha. Foi um período importante de autoconhecimento (temos mais tempo para olhar para nós e por nós) em que descobri que solidão e silêncio são coisas de que todos deviam desfrutar. Havia fins-de-semana em que praticamente só lia e pensava. Os meus amigos - quase todos animais sociais - achavam aquilo esquisito, mas eu sentia-me bem assim e sei que, se não tivessem sido esses anos a sós, não teria o mesmo respeito pelos outros. De qualquer modo, a menos que chovesse, era muito raro passar um dia inteiro em casa: saía para tomar um café, fazer compras ou dar um passeio. E via pessoas, mesmo que não fossem conhecidas.

Não vou mentir: agora, que já sei como é, gosto dez vezes mais de viver acompanhada. No entanto, quando, por qualquer razão, tenho de passar um ou mais dias sozinha, não corro a ligar aos amigos todos para virem fazer-me companhia. Aproveito para matar saudades do passado e ouvir o silêncio. Para variar, é bom estarmos só connosco.

Não pensei, por isso, que a quarentena pudesse afectar-me tanto, nem que fosse detestar o teletrabalho (e ter medo de que a coisa pegue): primeiro, passo o dia a receber e-mails e mensagens da empresa (quando lá estou, raramente me interrompem), já para não falar de uns vídeos humorísticos que têm como objectivo levantar-me o moral, mas fazem perder um tempo danado; depois, ao fim de um dia enfiada no escritório, já não me apetece voltar para lá à noite, que é quando escrevo, por exemplo, estas crónicas. E, além disso, os meus tempos livres acabaram, pois, com o estado de emergência, passei a ter trabalhos suplementares: limpar, aspirar, lavar e cozinhar, tarefas para as quais, infelizmente, não tenho talento. (Já me cortei duas vezes e queimei uma.)

Para tentar justificar o meu mau humor a quem me atura, resolvi repescar um artigo que me lembrava de ter lido há uns tempos sobre os efeitos do isolamento social. Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia, trabalhando com moscas-da-fruta e ratinhos, descobriu que o isolamento social prolongado leva à produção de uma substância química no cérebro que está associada ao medo e a um aumento de agressividade. Eu não consigo imaginar o cérebro de uma mosca-da-fruta, mas - preparem-se - no cérebro dos ratinhos a overdose de isolamento que conduz ao aumento de agressividade é de... duas semanas. Adeus, futuro.

Editora e escritora. Escreve de acordo com a antiga ortografia.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG