Famílias portuguesas precisam de dez anos de salários para pagar casa

Estudo da Comissão Europeia conclui que as habitações em Portugal estão "potencialmente sobrevalorizadas".

Se todo o dinheiro que as famílias portuguesas ganham por mês fosse usado para pagar uma casa, seriam necessários cerca de dez anos de rendimentos até conseguirem adquirir uma habitação própria. A conclusão consta num estudo da Comissão Europeia publicado esta sexta-feira.

Segundo a análise, que usou como referência uma casa de 100 metros quadrados, Portugal está dentro da média dos 40 países incluídos no estudo. No entanto, os investigadores sublinham que se um país está próximo da marca dos dez anos, isso significa que os "preços da habitação estão potencialmente sobrevalorizados" naquele mercado.

Os números revelam ainda que nos últimos cinco anos, o esforço necessário para pagar uma casa em Portugal tem vindo a aumentar. Entre 2013 e 2017 o número de anos necessários para uma família financiar a totalidade de uma habitação subiu de perto de nove para os atuais dez anos.

Para fazer as contas, os investigadores de Bruxelas recorreram a milhares de anúncios de venda de casas publicados em portais de imobiliário, bem como aos números oficiais do Instituto Nacional de Estatística (INE). Com base nesses dados, o estudo chegou a um valor de referência para o metro quadrado em Portugal de 1339 euros em 2017.

A pesquisa inclui todos os estados-membros da União Europeia, mas também outros países, como os Estados Unidos, Rússia, Canadá ou Japão.

Nos EUA, por exemplo, são necessários menos de quatro anos de salários para financiar a compra de uma casa. Mas até aqui o esforço das famílias tem vindo a crescer, já que em 2013 seriam precisos apenas três anos.

No extremo oposto da tabela está a Rússia, onde são necessários mais de 20 anos de salários para ter uma casa paga. Há ainda o caso de Hong Kong, que os investigadores não incluíram na tabela porque "rebentaria a escala", já que ali o metro quadrado está avaliado em mais de 30 mil euros.

Na maior parte dos países analisados (75%) é preciso juntar entre oito a 12 anos de salários de um agregado familiar para adquirir uma casa. Portugal está em linha com países como Itália ou Bélgica.

Segundo os números revelados esta semana pelo INE, os preços das casas em Portugal continuam a escalar. O preço mediano do metro quadrado ultrapassou os mil euros no primeiro trimestre de 2019, o que aconteceu pela primeira vez desde que o INE publica estes dados. Em todo o território nacional os preços aumentaram 6,4% nos primeiros três meses do ano face ao mesmo período de 2018.

O Porto e a Amadora foram os municípios do país onde se registaram os maiores aumentos, com os preços das casas a dispararem 22% em 12 meses.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.