Premium Emiliano Sala. Da tragédia humana à disputa financeira

Jogador está desaparecido após queda de avião no dia 20 e transferência do Nantes para o Cardiff por 19,7 milhões de euros está consumada. Mas quem paga e o quê?

As pessoas afetadas pela tragédia humana ainda nem podem fazer o luto. A queda do avião Piper Malibu, com a matrícula PA-46-310P, e que o piloto David Ibbotson conduzia de Nantes para Cardiff na segunda-feira, transportando o reforço mais caro da história do Cardiff City (19,7 milhões de euros), o argentino Emiliano Sala, no Nantes desde 2015, não está oficialmente encerrada.

As buscas foram dadas como terminadas pelas autoridades britânicas na quinta-feira, mas uma angariação de fundos desencadeada na internet (que meste domingo já ia em 325 mil euros, com grandes figuras do futebol a desembolsarem quantias significativas) estendeu a procura pela aeronave, pelo jogador argentino de 28 anos e pelo piloto. A ideia generalizada dos especialistas é posta da forma menos cruel possível: as probabilidades de encontrar alguém com vida são remotas. Ou seja, só um milagre pode fazer reaparecer Emiliano Sala são e salvo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.