O comboio regional do PS para a maioria absoluta

Para o PS de António Costa, a história pode muito bem repetir-se. Em 2014, quando chegou a secretário-geral do Partido Socialista, Costa parecia ter tudo para ganhar as eleições de 2015 com maioria absoluta. Não só não o conseguiu como fez o mais difícil: perdeu-as.

Em 2019, António Costa corre, novamente, o risco de morrer na praia. Desta vez, dificilmente perderá as eleições - Rui Rio está a fazer tudo para assegurar que isso não acontece -, mas a maioria absoluta parece cada vez mais difícil de alcançar.

Em 2015, como em 2014 (quando afastou António José Seguro), Costa fez o mais difícil. Criou condições para governar sem ter vencido as eleições, acabou com o mito de que a esquerda nunca se uniria em torno de um projeto de poder, cumpriu todas as metas orçamentais - e ainda foi para lá do que estava acordado -, fez quase tudo o que tinha prometido e, mesmo assim, a maioria absoluta parece continuar longe. Nem com a ajuda da oposição (sobretudo do PSD), que parece ter desistido de regressar ao poder, António Costa consegue descolar nas sondagens. Nada disto será por acaso.

O primeiro fator tem que ver com a atual solução governativa, que - como todas - tem as suas condicionantes. PS, Bloco, PCP e PEV, que sempre concordaram em discordar, desta vez concordaram também que valores mais altos se levantavam: afastar a direita do poder e ficar na história como os partidos que devolveram aos portugueses os rendimentos perdidos durante a troika. Sendo esta a base da geringonça - legítima e com o melhor dos propósitos -, ela foi sempre curta. Muito curta.

Os últimos anos e as condições económicas favoráveis podiam e deviam ter servido para o país lançar um conjunto de reformas estruturais, há muito adiadas, que o preparassem para as próximas crises. Na saúde, na educação, na justiça, na função pública, em tantos setores onde continuamos a marcar passo e onde não se vislumbra até hoje uma solução. E não digo que o PS não tenha essa visão, ideias e projetos, mas com a atual solução governativa eles são impossíveis de concretizar. Precisamente porque, no fim do dia, aquilo que divide a geringonça é sempre muito mais forte do que aquilo que a une.

"Há um erro que António Costa não parece disposto a repetir, mas que também lhe pode custar muitos votos no próximo ano: aumentar os funcionários públicos em ano de eleições"

É por isso que os últimos anos - e o próximo promete ser igual - foram marcados por medidas casuísticas e não tiveram uma única reforma digna desse nome. E aquilo a que os socialistas chamam reforma não tem sido mais do que a eterna tese de que os problemas se resolvem atirando dinheiro para cima deles.

O segundo fator, que pode tornar muito difícil a conquista de uma maioria absoluta por parte do PS, tem que ver com a guerra - mais uma - que o partido abriu com os professores. E mesmo concordando com a posição de Mário Centeno e de António Costa (se é que ambos estão de acordo), de que não há condições para repor, na íntegra, os anos de carreira dos professores que estiveram congelados, a verdade é que a última vez que o PS se meteu com os professores, no governo de José Sócrates, perdeu a maioria absoluta.

Há, no entanto, um erro que António Costa não parece disposto a repetir, mas que também lhe pode custar muitos votos no próximo ano: aumentar os funcionários públicos em ano de eleições. Em abono da verdade, Sócrates fê-lo em 2009 e nem por isso conseguiu manter a maioria absoluta. Mas aí entram outros fatores que agora não vêm ao caso.

"Mais do que roubar eleitorado à esquerda ou à direita, António Costa dificilmente chegará à maioria absoluta se não conseguir ir buscar os votos que perdeu em 2015 para os abstencionistas"

Uma terceira razão que é preciso não desvalorizar tem que ver com o papel do PCP e do Bloco de Esquerda. Fragilizados, por motivos diferentes - o Bloco por causa do caso Robles e o PCP depois da derrota estrondosa nas autárquicas -, com o aproximar das eleições, ambos os partidos serão uma oposição cada vez mais visível ao PS. Bloquistas e comunistas vão continuar esta espécie de coleção de bandeiras que possam hastear durante as eleições, tentando provar, cada um à sua maneira, que muitas das conquistas alcançadas nesta legislatura se deveram a eles e não ao PS.

O desafio do Partido Socialista para chegar à maioria absoluta está, por isso, na abstenção. Mais do que roubar eleitorado à esquerda ou à direita, António Costa dificilmente chegará à maioria absoluta se não conseguir ir buscar os votos que perdeu em 2015 para os abstencionistas. E essa parece, neste momento, uma tarefa longe de estar a ser cumprida.

Não são apenas as sondagens que o indicam. É o próprio discurso de António Costa que parece pouco ambicioso. E a rentrée deste fim de semana foi apenas mais uma prova disso mesmo. Costa pede a maioria sem a pedir explicitamente e continua a usar a velha estratégia - gasta - de anunciar medidas às pinguinhas nos jornais (para as testar, evidentemente), que depois "cavalga" nos comícios. Zero reformas. Zero ideias sobre os problemas estruturais do país. Zero risco.

Se o PS continuar, até 2019, neste ritmo de comboio regional, quando podia estar a circular à velocidade de um TGV para a maioria absoluta, António Costa perde uma oportunidade única. Pode até ficar na história como um político habilidoso - característica que lhe é reconhecida pelos próprios adversários - mas ficará também, para sempre, como o político que desperdiçou uma oportunidade única de conquistar a segunda maioria absoluta na história do PS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.