Premium Mulheres e órfãos do PP centrista de Rajoy têm a chave das eleições na Galiza

Na Galiza, como em todo o país, indecisos e voto feminino podem decidir o resultado. PP pode sair derrotado neste feudo histórico por causa das divisões à direita. Rajoy e Feijóo tentam travar sangria.

Esta "foi a campanha mais caótica e estranha de sempre em Espanha". Quem o diz é Maria Val, politóloga e assessora de campanha da socialista Lara Méndez López, presidente da Câmara de Lugo - município da Galiza com 98 mil habitantes. "Ao longo destas duas semanas, os galegos têm observado, surpreendidos e algo desiludidos, a viragem e as consequências da mudança de liderança no Partido Popular" diz ao DN, acrescentando que após "a repentina saída de Mariano Rajoy do governo espanhol e da política, seguida da eleição de Pablo Casado como presidente do Partido Popular, muitas galegas e galegos de centro que sempre votaram no PP sentem-se órfãos". Isto porque Casado, que venceu em julho as primárias dos populares frente a Soraia Sáez de Santamaría e Dolores de Cospedal, tem apostado numa viragem mais à direita, abandonando o centro e o centro-direita que tão bons resultados eleitorais deu a Rajoy, entre 2011 e 2018.

O número de indecisos para as eleições deste domingo é o maior de sempre: no início da campanha situava-se nos 42% e agora parece ter descido para os 30%. As mulheres são quem mais pode pesar, pois segundo a sondagem de março do Centro de Investigaciones Sociológicas (CIS), elas compõem 45% dos indecisos. A crispação entre candidatos - e por vezes nas ruas - é maior do que nunca. "O PP tem na Galiza o seu bastião, já que nunca até agora perdeu nesta comunidade autonómica galega nenhuma eleição, seja para o Parlamento regional seja para as legislativas", recorda aquela politóloga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.