Rio e Cristas sob pressão até outubro

O PSD tinha à 1.15 de hoje um score em percentagem que apontava para o pior resultado de sempre na história do partido: 22%. Somados, PSD+CDS obtinham 28,21%, pouco mais do que os 27,8% de 2014 quando avançaram coligados.

Rui Rio chegou à sala do hotel no Porto, sua cidade, faltava pouco para as 23.00. Os resultados para o PSD eram pesados: à 1.15 da manhã tinham 725 mil votos, correspondentes a 22% (e quatro eleitos). O pior resultado percentual do PSD era até agora o obtido nas primeiras eleições legislativa da democracia, em 25 de abril de 1976, com 24,35%.

Os dois objetivos para as europeias falharam: nem vencer as eleições nem eleger mais eurodeputados do que os seis eurodeputados que já tinha conseguido em 2014.

Mas o líder do PSD vestiu a pele de vencedor, apesar de ter reconhecido a derrota. Sem pestanejar, voz segura, voltou a pôr a fasquia alta para 6 de outubro: "Ganhar as eleições, é claro." Os sociais-democratas só foram a maior força no distrito de Vila Real e na região da Madeira. Todos os outros foram para o PS.

Já no Largo do Caldas a líder do CDS trazia no colo um péssimo resultado para o seu partido, que ficou atrás do BE e do PCP e manteve apenas um mandato no Parlamento Europeu, o de Nuno Melo. Assunção Cristas deixou transpareceu no rosto o peso do resultado. Mas um e outro carregam até às eleições legislativas a pressão desta vitória do PS. Mesmo que ambos rejeitem que os resultados possam transpor-se entre atos eleitorais.

Rio e a fuga para a frente

Porque sabe que as facas começam a afiar-se no PSD nas noites de derrota, Rui Rio fez uma espécie de fuga para a frente. Em tom enfático, motivado pelas perguntas dos jornalistas sobre a viabilidade da sua liderança, garantiu que "só se estivesse farto", e não está, é que deitava a toalha no chão. "Claro que tenho condições para levar o PSD a um bom resultado", garantiu perante uma sala cheia de militantes, apoiantes, que naquela hora lhe deram apoio.

Mas Rio reconheceu aquilo que é óbvio, a oposição interna, a que gerou "turbulência" no partido, tem agora argumentos para intensificar os ataques internos à sua liderança. Nunca mencionou o nome do antigo líder parlamentar do PSD que o desafiou para eleições internas antecipadas, Luís Montenegro, mas ele esteve presente em todos os recados que deu ao partido.

O líder social-democrata carregará esse peso de saber que se em outubro não atingir a fasquia que se propôs, a de ganhar as eleições ao PS - "ou o PSD chega a outubro como alternativa ao PS ou então não alternativa" -, muito provavelmente não conseguirá manter-se ao leme do partido. Ainda que os opositores internos se mantenham mudos e quedos nestes próximos quatro meses, para não serem acusados de prejudicar o partido.

Rio diz que é preciso "aprender" com os erros desta campanha, sendo o maior deles ter deixado António Costa ganhar a guerra dos professores, para que a mensagem do PS não passe melhor do que a do PSD. Mas, curiosamente, o líder social-democrata voltou à sua cartilha política de valorização dos consensos, da qual não abre mão. "Os partidos têm de ser capazes de dialogar por Portugal, de fazer aquelas reformas que são decisivas para o futuro do país." E voltou a enunciá-las: do sistema político, da sustentabilidade da Segurança Social, da justiça e da descentralização.

Cristas muito longe do "maior partido"

Ao contrário de Rio, a líder do CDS deixou mesmo transparecer como o resultado do CDS nestas eleições lhe pesam nos ombros, até porque se empenhou fortemente na campanha de Nuno Melo e tudo fez para tentar eleger mais um eurodeputado, no caso Pedro Mota Soares, o antigo ministro da Segurança Social, que com ela partilhou lugar no governo de coligação de Passos e Portas.

Assunção sonhou alto. Tentar ser maior eleitoralmente do que os partidos à esquerda, PCP e BE, que suportam o governo e não conseguiu. E este resultado, depois de ter conseguido ficar à frente do PSD quando encabeçou a lista do CDS à Câmara de Lisboa, nas últimas autárquicas, deve ter tido mesmo um gosto amargo. A líder centrista tem agora sobre ela uma pressão enorme para as legislativas, eleições em que o seu partido vai testar o peso eleitoral depois de ter passado pela coligação com o PSD.

Ao contrário de Rio, Cristas tem o partido mais unido e uma oposição interna muito mas fraca. O que lhe dá margem para tentar recuperar deste desaire eleitoral até outubro. Mas o sonho de ser o "maior partido", que projetou no último congresso do CDS, parece longe.

À 1.10 de hoje, o CDS só tinha Nuno Melo eleito, estando em aberto a eleição de um segundo eurodeputado (Luís Pedro Mota Soares), obtendo 204 mil votos (6,2%). Nas últimas europeias em que se apresentaram autonomamente, as de 2009, os centristas elegeram dois eurodeputados, com 298 mil votos (8,37%)

Santana na Liga de Honra

No campeonato do centro-direita surgiu também um novo partido, o Aliança, de Pedro Santana Lopes. Sendo certo que não conseguiu eleger Paulo Sande, o cabeça-de-lista, a verdade também é que o partido se revelou o maior dos que não elegeram ninguém. "Líderes da Liga de Honra", disse Santana, que no entanto admitiu a "desilusão" com os resultados.

O ex-líder do PSD e ex-primeiro-ministro aproveitou também para, sinalizando a força crescente da esquerda, recordar a sua proposta de "convergência" dos partidos do centro-direita na perspetiva das próximas legislativas. A solução concreta porém não a avançou, dizendo que essa "convergência" tanto pode ser pré-eleitoral como pós-eleitoral. À 1.10 de hoje o Aliança registava 61,5 mil votos (1,87%).

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.