Costa supera-se, BE agiganta-se, CDU desaba e PAN consolida

Mapa do país fica quase inteiramente rosa - PS só perde em Vila Real e na Madeira e cava fosso de mais de 10% para o PSD. Bloquistas mais do que duplicaram número de votos. CDU perdeu quase metade. Abstenção com resultados paradoxais.

Pelas 23.00 de ontem, com 98,87% das freguesias e consulados apurados, os resultados oficiais mostravam que a soma de PS+BE+CDU estava à beirinha dos 50%: 49,92%. E se a estes somássemos o PAN - que garantidamente terá um eurodeputado eleito, tendo as projeções iniciais apontado a possibilidade de um segundo, consolidando portanto o resultado das últimas legislativas - essa soma ficaria muito acima dos 50%, passando para 54,91%.

O PS de António Costa ultrapassava em dois pontos percentuais a vitória "poucochinha" do PS de Seguro em 2014, passando de 31,61% para 33,51% (resultados às 23.00, em ambos os casos). O mapa do país fica quase completamente rosa: os socialistas só não são a maior força na Madeira e em Vila Real (o PSD vence). Ao final da noite, respondendo a jornalistas, António Costa diria que não há razões para nas próximas legislativas não renovar a aliança de esquerda: "Não há razões para alterar aquilo que tem produzido bons resultados."

À esquerda, porém, a grande vitória seria do Bloco de Esquerda. A lista liderada por Marisa Matias ia em 9,72% - duplicando de um para dois o número de eleitos e também duplicando a percentagem de 2014 (4,49%). Durante a noite toda, os bloquistas, pelas vozes de Jorge Costa, Marisa Matias e Catarina Martins, sublinharam o facto de o partido ter passado a terceira maior força portuguesa no Parlamento Europeu. Ou, dito de outra forma: sublinharam que o BE é agora maior do que a CDU em Bruxelas - o que significa que a situação na Assembleia da República se transplantou para o panorama europeu.

PCP culpa comunicação social

A CDU recusou falar em derrota, mas a verdade é que a coligação liderada pelo PCP estava em perda: em 2014, às 23.00, tinha cerca de 385 mil votos e ontem à mesma hora ia em 210 mil. Garantidamente, os comunistas passariam de três eleitos para dois - possivelmente até só um.

João Ferreira foi o primeiro cabeça-de-lista a falar e explicou o resultado dizendo que ele resultou do facto de a coligação ter sido vítima de uma "óbvia menorização" da sua ação política. Também falou em "campanhas difamatórias" e disse que o quadro em que a campanha se fez foi "claramente mais difícil" do que o de 2014, quando o país ainda vivia na ressaca da troika (e o PCP beneficiava disso). No Facebook, um ex-deputado do PCP, Miguel Tiago, responsabilizaria a comunicação social pelos resultados:

Depois, Jerónimo de Sousa admitiria que o resultado eleitoral da CDU foi "particularmente negativo" para os interesses dos trabalhadores, do povo e do país, reconhecendo a quebra do partido face aos três eurodeputados eleitos em 2014. É a segunda derrota eleitoral consecutiva da CDU, depois das autárquicas de 2017, em que os comunistas perderam dez câmaras.

Dentro do partido tenderão a fazer-se ouvir mais alto as vozes que contestam o alinhamento do PCP na geringonça: "Da comunicação social esperamos apenas um adversário. Porque também é assim que a comunicação social nos vê a nós. É assim que faz sentido e nem vale a pena lamentarmo-nos. Quando nos inscrevemos nesta luta já sabíamos as regras do jogo."

RTP faz sondagem para as legislativas

A meio da noite, a RTP divulgaria uma sondagem feita ontem pela Católica com eleitores das europeia. Vitória do PS com 39% - longe portanto da maioria absoluta (resultado que só se alcança com, no mínimo, 43%). Depois, o PSD em segundo com 25%, o BE em terceiro (9%) e a CDU em quarto (8%). O CDS/PP atingiria, de acordo com a mesma estimativa, 6% e o PAN chegaria aos 4%. O voto noutras forças políticas, os votos em branco ou nulos, representavam 8% da intenção direta de voto.

Este resultado representa, por um lado, uma clara maioria de esquerda mas ao mesmo tempo também a possibilidade de uma nova geringonça se fazer apenas a dois, ou PS+BE ou PS+CDU. No centro-direita (PSD+CDS) a soma dá 34% - uma descida face a 2015 (36,86%).

À esquerda é também de referir o desaparecimento de Marinho e Pinto. Há cinco anos, encabeçando uma lista do MPT, o ex-bastonário fora eleito, juntamente com o número dois da lista.

Paradoxos na abstenção

Depois disso, Marinho e Pinto rompeu com o Partido da Terra e criou o PDR (Partido Democrático Republicano). Ontem não foi eleito e ficou muito longe de o ser. O PDR só tinha três partidos atrás de si (PURP, PTP e MAS), com 15,5 mil votos (0,48%), pelas 00.00 de hoje.

Às 00.53 estavam atribuídos 15 dos 21 mandatos: PS (6), PSD (4), BE (2), CDU (1), CDS (1) e PAN (1).

À mesma hora, os números da abstenção revelavam-se paradoxais. O número de votantes de facto aumentou (de 3,245 milhões para 3,277 milhões, faltando apurar resultados de mesas e consulados representando cerca de 300 mil eleitores).

Contudo, a abstenção percentual também aumentou: de 66,12% para 68,64%. O paradoxo resulta do facto de o número total de eleitores inscritos ter aumentado em um milhão: de 9,7 milhões para 10,7 milhões, por via do recenseamento automático de centenas de milhares de emigrantes portugueses residentes no estrangeiro.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...