Premium Sub-19. A nova geração que hoje quer dar mais um título a Portugal

Mesmo privada de alguns dos melhores atletas, a seleção sub-19 pode sagrar-se hoje campeã da Europa se vencer a Espanha. Só um jogador tem experiência de I Divisão. Os restantes evoluíram nos juniores, na II Liga e na Liga Revelação.

A seleção portuguesa de sub-19 pode fazer hoje história e sagrar-se campeã da Europa pela segunda vez consecutiva. O adversário na final que se realiza na Arménia é a Espanha, com a qual a equipa das quinas se cruzou na fase de grupos (1-1). Esta será a terceira final seguida da seleção agora treinada por Filipe Ramos (ex-jogador do Sporting que foi campeão do mundo de sub-20 em Riade, 1989) e a 13.ª de sempre deste escalão em Europeus, nos quais Portugal ganhou quatro edições (1961, 1994, 1999 e 2018).

Há um ano, os sub-19 sagraram-se campeões da Europa sem algumas das principais referências da equipa, casos de João Félix, Gedson Fernandes e David Tavares (Benfica), Luis Maximiniano (Sporting) e Diogo Leite (FC Porto), jogadores que não foram cedidos por integrarem os trabalhos da pré-época dos respetivos clubes. Este ano a história pode voltar a repetir-se, com o selecionador a ver-se privado de várias peças importantes - os benfiquistas Nuno Tavares, Pedro Álvaro, Tiago Dantas, Úmaro Embaló (este lesionado), os portistas Tomás Esteves, Romário Baró e Fábio Silva e os leões Nuno Mendes, Eduardo Quaresma, Rafael Camacho e Joelson Fernandes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.