Brooke Binkowski é uma jornalista americana que liderou a equipa de fact-checking no Snopes.
Premium

fake news

"Facebook espalhou informação anti-semita que dizia combater"

A acusação é de Brooke Binkowski que foi, até ao ano passado, a responsável editorial da equipa de fact-checking americana Snopes, contratada pelo Facebook para verificar mentiras intencionais na rede. "Foi muito claro para mim que o Facebook não estava realmente interessado em acabar com a crise de desinformação, apenas está interessado em ficar bem na fotografia."

Na página do Snopes, um dos primeiros sites americanos de verificação de factos (fact-checking), Brooke Binkowski é descrita como "uma jornalista de investigação premiada" com um longo currículo: "Escreveu e produziu para a CNN, CBS, NPR, Globe and Mail, AJ+, Christian Science Monitor e vários outros", prossegue o curto texto antes de acrescentar que Brooke é, além disso, "uma ávida esgrimista e uma entusiasta do acordeão".

O bom humor desta apresentação é uma relíquia do passado. Brooke saiu do Snopes, onde foi editora executiva, em julho do ano passado. Uma das razões para a sua saída foi o acordo estabelecido entre o Snopes e o Facebook para a verificação do conteúdo da rede social. O Snopes fazia parte, com mais de 40 sites no mundo, da tentativa, anunciada pelo Facebook, de lidar com a desinformação publicada pelos seus mais de dois mil milhões de utilizadores. Brooke era a responsável editorial pela ligação entre a sua equipa e o Facebook. E as coisas começaram a correr mal...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.