A falta que a conversa faz

Um nevoeiro ou neblina matinal, como dizia Anthímio de Azevedo no tempo em que havia boletim meteorológico, esconde a foz do Sado, Troia e o Portinho da Arrábida. São dez da manhã, está aquele frio que dá vontade de vestir camisolas confortáveis, acabou o pequeno-almoço e vamos passar as próximas duas horas a conversar sobre um livro. Podia dizer que íamos discutir diferentes ideias ou perspetivas, mas é mesmo conversar.

Atravessado o caminho que leva até ao propriamente dito Convento da Arrábida, instalam-se quinze pessoas à volta de uma mesa antiga de madeira, abrem-se edições diferentes da Antígona, de Sófocles, começa-se pela personagem mais improvável e só se acaba no dia seguinte, ao fim da manhã, sem se ter chegado a conclusão quase nenhuma. Pelo menos definitiva e unânime.

A ideia é mesmo essa. A conversa é um exercício intelectual, é um prazer partilhado, mas não tem de ser finalista nem utilitária, e não precisa de ter resultados únicos ou, menos ainda, impostos.

O grupo à volta daquela mesa tem em comum ter estudado, há mais ou menos tempo (uns há vinte, outros há cinco anos), Ciência Política e/ou Relações Internacionais no Instituto de Estudos Políticos (IEP) da Universidade Católica, mas este encontro não tem nada de académico. Não é uma aula, é um regresso aos livros em boa companhia. É uma herança nossa.

As regras deste jogo são simples: não é preciso ser-se especialista, mas tem de se ter lido o livro; falar, mas sobretudo ouvir; não tornar a leitura de um clássico numa discussão contemporânea que irremediavelmente transforme um grego de antes de Cristo em Trump. O modelo é importado de uma universidade americana e existe replicado nos Açores, num programa anual para alunos do secundário, dirigido pelo Miguel Monjardino.

Neste caso, porém, quem orienta a conversa é o mesmo, mas aqui somos todos adultos, o encontro dura dois dias - porque além da conversa à volta daquela mesa há passeios, almoços e jantares - e não serve para nada. Não tem notas, não dá títulos, não acrescenta uma linha ao curriculum vitae. A razão de ser disto tudo é a convicção de que há muito que aprender com os clássicos, há muitas leituras possíveis, que dependem mais da história e das histórias de cada um, e que uma conversa entre iguais muito diferentes enriquece muito mais do que uma discussão.

O que é que isto tem que ver com a Europa? Nada. Ou muito. A política europeia está a perder duas características importantes: a ideia de que podemos divergir sem quebrar e o sentido da história. À medida que deixamos que os radicais tomem conta do essencial do espaço público, tornamos a discussão política numa luta entre irreconciliáveis que só pode acabar em conflito. E, nesse processo, entre a excitação de um tweet e uma proposta fraturante, ignoramos que a história, sem ser um eterno retorno, é feita de homens que são, mais coisa menos coisas, muito parecidos. E que ler o Facebook não é a melhor maneira de perceber onde estamos.

Disclaimer: este encontro foi uma iniciava do IEP Alumni Club, de que sou presidente. Por isso não devia fazer esta apologia. Mas faço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.