Paz entre as religiões, paz entre as nações

1) A Basílica de Santa Sofia, em Constantinopla (Istambul), inaugurada pelo imperador Justiniano no século VI e dedicada a Cristo, Sabedoria de Deus, foi durante quase mil anos o maior templo cristão, impondo-se pela sua beleza e majestade. Muitos que lá entraram e contemplaram a cúpula, com 55 metros de altura e 30 de diâmetro, e o Cristo Pantocrator a olhar do alto disseram ter feito uma experiência do Céu.

A sua história tem sido atribulada. Foi realmente durante quase um milénio (537-1453) o santuário mais significativo da cristandade; a seguir ao Grande Cisma (1054), tornou-se a igreja mais importante dos cristãos ortodoxos, que os católicos, no tempo das cruzadas, conquistaram e dominaram (1204-1261); depois, durante quase 500 anos (1453-1931), tornou-se, com a conquista de Constantinopla, a mesquita "imperial" mais importante do islão, tendo Constantinopla passado a chamar-se Istambul, pois era tal o esplendor e a força de Constantinopla que não se dizia "ir a Constantinopla" mas "ir à cidade" (em grego: eis tên polín). Em 1931, depois da dissolução do império otomano, Mustafá Kemal Atatürk, fundador da Turquia moderna, como sinal da laicidade do Estado, dessacralizou-a e transformou-a num "museu oferecido à humanidade", aberto ao público em 1935 já com os vitrais e os ícones cristãos, que tinham sido cobertos com gesso, porque o islão proíbe as imagens, e, em 1985, declarado património mundial da Humanidade pela UNESCO. O actual presidente da Turquia, Recep Erdogan, decretou, no passado dia 10, que voltasse a mesquita, recomeçando a ser lugar de oração a partir de ontem, dia 24. Entretanto, o governo turco assegurou que terá os mosaicos com imagens cristãs tapados durante as orações e que continuará aberta ao turismo, nacional e estrangeiro, com entrada gratuita (até agora, as visitas rendiam 50 milhões de euros anuais).

2) As reacções à reconversão em mesquita por Erdogan choveram de todo o lado. A Grécia, a UNESCO, a Rússia, os Estados Unidos manifestaram inquietação. O governo grego foi dos primeiros a reagir, qualificando a decisão de "provocação ao mundo civilizado". O Papa Francisco, logo no dia 12, na oração do Angelus, disse: "O meu pensamento vai para Istambul, penso em Santa Sofia e sinto muita dor." É natural que os cristãos ortodoxos se exprimam de modo mais contundente, pois Santa Sofia é simbolicamente para a Igreja ortodoxa o que São Pedro é para os católicos. Assim, a Igreja da Grécia, antes ainda da reconversão, lembrou que Santa Sofia é uma "obra-prima, mundialmente reconhecida como um dos monumentos eminentes da civilização cristã. Toda a mudança provocará um vivo protesto e a frustração entre os cristãos de todo o mundo, e prejudicará a própria Turquia". Sua Beatitude Jerónimo II, arcebispo de Atenas, qualificou a decisão de "insulto à ortodoxia, ao cristianismo em geral e a toda a pessoa sensata", instrumentalizando a religião para conveniências partidárias, geopolíticas e geoestratégicas. A Igreja ortodoxa russa antevê que possa ter "graves consequências para toda a civilização humana". O patriarca Cirilo de Moscovo declarou que "uma ameaça a Santa Sofia é uma ameaça ao conjunto da civilização cristã." O Conselho Ecuménico das Igrejas, que reúne 350 Igrejas cristãs no mundo, exprimiu o seu "pesar e consternação"; para o seu secretário-geral, I. Sauca, Santa Sofia era uma bela prova da "ligação da Turquia à laicidade". A França "deplorou" a mudança, enquanto a UNESCO poderá rever o seu estatuto, considerando "lamentável" a decisão tomada "sem diálogo nem notificação prévia".

3) Sempre que se fala em religião/religiões vem inevitavelmente à mente a declaração célebre do teólogo Hans Küng: "Não haverá paz entre as nações sem paz entre as religiões. Não haverá paz entre as religiões sem diálogo entre as religiões. Não haverá sobrevivência do nosso planeta sem um ethos (atitude ética) global, sem um ethos mundial."

Condição essencial para a paz entre as religiões e para que haja liberdade religiosa é a laicidade do Estado, a não confundir evidentemente com laicismo. O Estado não pode ser confessional, não pode ter nenhuma religião, precisamente para garantir a liberdade religiosa de todos. Erdogan, porque está a perder poder, quer apoiar-se nos sectores mais islamistas e ultranacionalistas. De facto, como disse o turco Ohran Pamuk, Nobel da Literatura, "esta reconversão é dizer ao resto do mundo que, infelizmente, não somos um Estado laico". Deste modo, acabou por dar um duro golpe no diálogo inter-religioso, que tem a sua prova de verdade no combate comum pela paz, pela justiça, por aquele ethos que Hans Küng refere e que está presente no documento histórico, a que aqui me referi amplamente, "A Fraternidade Humana", assinado em Abu Dhabi pelo Papa Francisco e pelo Grande Imã da Universidade Al-Azhar, no Cairo. Não há dúvida de que, transformando Santa Sofia em mesquita e aliando religião e nacionalismo, Erdogan "pode criar um terreno fértil para a intolerância religiosa e a violência", alertou a Conferência de Igrejas Europeias.
Erdogan foi perigosamente muito longe, ao celebrar, no discurso oficial em árabe - a referência não é mencionada nem na versão em turco nem em inglês -, esta reconversão como um primeiro passo de um "renascimento" islâmico, que deve ir de Bucara, no Usbequistão, a Al Andalus, Espanha: ele "é o símbolo do regresso do sol nascente da nossa civilização islâmica".

Padre e professor de Filosofia. Escreve de acordo com a antiga ortografia

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG