Ministro da Educação: "As fake news já estão a criar sérios desafios às democracias"

A propósito da formação para professores em Literacia dos Média, numa iniciativa do Ministério da Educação e do Sindicato dos Jornalistas, Tiago Brandão Rodrigues explica iniciativa ao DN.

As fake news são uma ameaça à democracia? De que forma as escolas podem ser espaços de afirmação dos valores democráticos?

As fake news já estão a criar sérios desafios às democracias e é fundamental que todos nós, cidadãos, consigamos lidar com este fenómeno, no sentido de reafirmarmos valores basilares como a liberdade e a igualdade. As escolas desempenham aí um lugar central e imprescindível, precisamente na formação de cidadãos informados, conscientes, reflexivos, críticos, capazes de compreender o funcionamento dos media para interpretar as mensagens que este veiculam.

Até que ponto o Ministério da Educação entende que, ao envolver os profissionais da comunicação social, se pode capacitar o corpo docente para estes valores democráticos e de cidadania?

É fundamental as escolas serem apoiadas pelos especialistas em cada área, numa lógica de verdadeira cooperação e complementaridade. Aliás, é assim que estamos a desenvolver a educação para a cidadania nas nossas escolas, privilegiando colaborações com organizações da sociedade civil reconhecidas em cada área para enriquecer o trabalho nas escolas.

Os professores mantêm o seu papel central, enquanto referência educativa central para os jovens e para as próprias comunidades. Mas não sendo especialistas em todas as matérias, têm de ser coadjuvados para lidar com novas questões societais.

A ideia é, portanto, que os docentes possam enriquecer o trabalho pedagógico com os seus alunos com atividades que incluam e promovam a literacia dos media, contando para isso com o conhecimento, a experiência e o apoio dos profissionais do setor.

Esta iniciativa-piloto poderá vir a ser alargada a todo o país? Em que prazos?

Seria o desejável. Esperemos que sim, mas isso também depende do projeto-piloto. Um dos objetivos de qualquer piloto é precisamente compreender as reais mais-valias de um programa, no sentido de explorar um eventual alargamento. Isso não depende apenas do Ministério da Educação. Neste caso, temos uma parceria muito importante com uma organização que representa e forma os jornalistas [Sindicatos dos Jornalistas]. E, portanto, teremos de ponderar, em conjunto e depois de já termos resultados do piloto que agora estamos a lançar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.