Sem armas ou com que armas…

Interrogo-me, por vezes, qual o lugar da identidade nacional neste mundo que se vê ironicamente tanto mais globalista quanto ameaçado de nacionalismos. Portugal tem tido uma identidade coesa e respeitada, fruto também dos seus séculos de história pelo mundo, que nos tem permitido um certo sossego em relação à questão. No entanto, na conjuntura mundial em que vivemos, temos de ter consciência de que um país será tanto mais competitivo quanto mais capaz for de gerir coletivamente a imagem que projeta.

No presente, a par da imagem de país de clima ameno e solarengo, conseguimos projetar, por via da recuperação económica e social, a imagem do país que bateu o pé à austeridade, com uma solução governativa em que o diálogo impera. O bom desempenho dos setores ligados ao turismo (a par de outros rankings...) evidencia a saúde da nossa imagem externa. Somos o país que passou de vítima minoritária de uma crise financeira global a apanágio de novas e inovadoras soluções políticas e económico-financeiras.

Já o futuro constitui um desafio: o de sermos capazes de definir, conjuntamente, uma imagem e um élan para o nosso país que, de acordo com a nossa peculiaridade, nos possibilite manter os níveis atuais de projeção internacional positiva. Uma resposta possível a esse desafio é definitivamente a nossa tradição de tolerância e de comunhão de culturas. O nosso percurso de nação intermediária de civilizações, o pioneirismo histórico da nossa tradição legislativa, capaz de conseguir traduzir o consenso em lei, e ainda a nossa histórica Revolução dos Cravos permitem-nos poder projetar uma imagem de vanguarda equilibrada. A modernidade, em Portugal, convive com os já velhos e brandos costumes. Importante será conseguir preservar essa atitude e cultivá-la.

A nova lei das armas, aproveitando a transposição de uma diretiva comunitária sobre requisitos técnicos, mostra precisamente essa nossa capacidade de refletir legislativamente sobre os costumes que herdámos. É certo que quase tudo pode constituir uma arma, pois até a palavra, como a história nos ensinou, pode ser letal na voz errada. Mas foi esta nossa capacidade de legislar pioneiramente que levou a que não tenhamos de enfrentar os terríveis massacres, com armas cada vez mais destrutivas e perpetrados por cidadãos aparentemente inócuos, que os Estados Unidos, por exemplo, com uma frequência assustadora, enfrentam.

A nova lei das armas atualiza o contexto da arma, recusando-lhe a banalização, mas permitindo-lhe a identidade, enraizada em práticas recreativas, desportivas, económicas, de colecionismo e defesa pessoal, desde que regulamentada. Trata-se apenas de, por questões de segurança, assegurar a adequação e implementação de mecanismos preventivos de controlo. A arma, ao mudar de proprietário por herança, por exemplo, não acarreta necessariamente consigo o contexto da idoneidade e da formação de quem a legou.

A luta sem armas tem sido a luta das minorias. Hoje mesmo, 25 de novembro, decorre a Marcha do Dia Internacional para a Eliminação de Todas as Formas de Violência contra as Mulheres. Que imagem deverá Portugal projetar de si mesmo? Precisamente a do país que luta pela cultura da paz, da tolerância e dos direitos de todos. Pois essa é a verdadeira luta pela paz e esta será para Portugal, no combate pelo reconhecimento global, certamente uma arma.

Deputada do PS

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.