Adeus, futuro: "Revelações"

Há muitos anos tive um namorado fotógrafo que fazia todas as refeições fora de casa, incluindo o pequeno-almoço. A sua despensa era um lugar desolador e, na cozinha, dentro do frigorífico, perfilavam-se apenas frascos de plástico com líquidos de revelação. Uma vez fiz-lhe companhia na penumbra mágica do laboratório fotográfico - e ver surgir aos poucos uma imagem naquele rectângulo de papel mergulhado na tina foi das coisas mais bonitas a que assisti. Actualmente, com o digital a dominar a fotografia, pergunto-me o que será feito de tanta câmara escura por esse mundo fora (onde, além de se terem revelado belíssimas fotografias, também se deve ter namorado bastante) e se esse meu amigo terá prescindido de vez do seu frigorífico.

Além da experiência quase mística da revelação, que não creio que regresse, quando hoje olhamos para uma fotografia também nunca sabemos se corresponde ao que foi efectivamente fotografado. A facilidade com que se limpam borbulhas, afunilam cinturas, recortam companhias indesejáveis, acentuam cores e roubam sombras e brilhos à composição é tudo menos reprodução da realidade; e, embora seja um milagre o Photoshop permitir a uma rapariga sem um palminho de cara parecer quase uma miss, para mim perdeu-se uma das principais finalidades da fotografia, que é justamente a de fixar o momento, sim, "para mais tarde recordar".

Conheço a este título uma história curiosa. Num casamento de libaneses francófonos em Beirute, as mulheres, quase todas cristãs, não tiveram de obedecer a qualquer restrição na escolha do vestuário. Havia por isso vestidos de alcinhas ou cavados, mini-saias, tecidos vaporosos e transparentes, colos descobertos e decotes acentuados. Por se tratar de uma família conhecida (com parentes vindos da Europa e dos Estados Unidos de propósito para a cerimónia), uma revista mundana fez a cobertura da festa e publicou uma longa reportagem em relação à qual o jet set do restante Médio Oriente, em jejum, ficou a salivar. Vai daí uma publicação congénere da Arábia Saudita comprou a reportagem. E aqui começam as revelações... Ainda que a disposição das fotografias na página seja exactamente a mesma do trabalho original, aqui os vestidos têm todos mangas compridas e decotes chegados ao pescoço; as saias parecem ter-se miraculosamente desenrolado até aos pés; as transparências tornaram-se opacas como num passe de mágica; e, claro, além da maquilhagem francamente desmaiada nos rostos das mulheres, pousaram uns tristes véus sobre as suas cabeças penteadas. Photoshop como censura? Adeus, futuro.

Editora e escritora, escreve de acordo com a antiga ortografia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.