Premium Mais carros, muitos semáforos e prédios altos. Porque é o Parque das Nações a zona mais poluída de Lisboa?

Muito trânsito e estacionamento em segunda fila: estes são alguns dos motivos que levam a que a qualidade do ar no novíssimo Parque das Nações não seja a melhor.

O Parque das Nações é mais poluído do que a Avenida da Liberdade - diziam os títulos das notícias deste domingo não deixando margem para dúvidas. De acordo com um estudo levado a cabo pela associação ambientalista Zero, que monitorizou o ar em quatro pontos da cidade de Lisboa (Cais do Sodré, Belém, Segunda Circular/Telheiras e Parque das Nações) e comparou os valores obtidos com os valores das estações de qualidade do ar existentes (Avenida da Liberdade, Olivais, Entrecampos e Santa Cruz de Benfica), os lisboetas estão a respirar ar poluído em toda a cidade mas a situação é especialmente preocupante no Parque das Nações, onde os valores referentes ao dióxido de azoto e às partículas inaláveis são preocupantes.

Como é que um bairro novo - que nasceu após a Expo'98 -, junto ao rio, com tantos espaços verdes e que é uma zona onde tantas pessoas vão praticar exercício físico, pode ser mais poluído do que a Avenida da Liberdade, no centro de Lisboa, ou do que a Segunda Circular, uma das artérias com mais tráfego automóvel?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.