Premium Carlos Nascimento: "As educadoras de infância já me diziam que era muito rápido"

Medalha de ouro nos 100 metros nos Jogos Europeus de Minsk, velocista português de 24 anos conta que já no jardim-de-infância a velocidade já se fazia notar e que dois meses de treinos bastaram para bater o recorde nacional de iniciados nos 80 metros.

A vitória de domingo na prova dos 100 metros nos Jogos Europeus de Minsk, na Bielorrússia, foi o ponto alto do percurso de dez anos de Carlos Nascimento no atletismo. Talento para a velocidade detetado logo em tenra idade, não precisou de muito para bater o recorde nacional nos 80 metros em iniciados. Recordista de Portugal nos 60 metros desde os juvenis aos sub-23, está a dez centésimas de bater Francis Obikwelu, companheiro no Sporting que lhe dá dicas nos estágios. Outros sonhos passam pela presença nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no próximo ano, e baixar da mítica fasquia dos dez segundos aos 100 metros.

Cerca de 24 horas depois de ter conquistado a medalha de ouro nos Jogos Europeus, ainda está nas nuvens?
Ainda estou um pouco sim. Ainda estou assim um pouco a assimilar o que aconteceu, um marco na minha carreira e algo que acredito ser muito bom para o atletismo português.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.