Casas venderam-se mais depressa em 2018, mas proprietários já estão a baixar preços

Tempo médio de venda de casas tem vindo a baixar nos últimos anos, mas "hoje há uma maior percentagem de proprietários que já estão a rever o valor para baixo", adianta a Confidencial Imobiliário.

A cozinha pedia obras, a casa de banho uma atualização e as paredes tinta fresca, mas nem o peso da idade travou um negócio supersónico. A casa dos irmãos Ferreira, no coração de Lisboa, encontrou novo dono em três dias. "O agente ligou a dizer que ia ativar o anúncio e que através da rede da agência, e dos pedidos de clientes que procuravam uma casa com aquelas características, conseguia antecipar mais de cem visitas." Não foi preciso tanto. O primeiro casal a conhecer o espaço aceitou o valor proposto e ficou com o imóvel. "Não posso dizer que não foi uma surpresa, especialmente porque em 2013 ou 2014 já se tinha tentado pôr a casa à venda e não apareceram mais de duas ou três pessoas interessadas, mas dispostas a pagar muito menos", conta Mário Ferreira ao DN/Dinheiro Vivo.

Ainda eram os efeitos da crise, mas a realidade mudou. No ano passado, o tempo médio para vender um imóvel voltou a cair. Em Lisboa, foram precisos, em média, apenas seis meses, contra os nove meses de 2013, mostram dados cedidos ao DN/Dinheiro Vivo pela Confidencial Imobiliário. Esta realidade alastrou a todo o país e reflete não só a maior confiança dos consumidores como um maior poder de compra.

"Nos tempos de maior crise, o tempo de absorção de um imóvel aumentou. Esta variável nunca tem variações muito drásticas, mas reflete a falta ou o aumento de liquidez da economia", lembra Ricardo Guimarães, da Confidencial Imobiliário, admitindo que "era esperado que o aumento de liquidez, após a crise, reduzisse o tempo de venda, e isso observou-se".

A redução do tempo que uma casa demora a ser vendida é transversal a várias zonas do país. Em Lisboa, entre 2013 e 2018 registou-se uma redução média de três meses. No Porto, no mesmo período, houve uma redução de cinco meses no tempo médio para venda - eram precisos 11 meses, agora são seis. No Algarve, em 2016, os imóveis para venda chegaram a esperar, em média, 15 meses, e agora são precisos apenas nove.

"Refugo que ninguém quer"

Mas quem conhece o mercado antecipa novas dificuldades. Não é que o setor volte ao que era nos tempos da crise, mas "há menos casas para transacionar e as que vão estar disponíveis vão ser o refugo que ninguém quer", lembra Luís Lima, presidente da APEMIP, a associação que representa os mediadores imobiliários.

O setor da promoção, a par da construção, estima que o mercado precise de 70 mil novas casas para que haja um equilíbrio entre a oferta e a procura. "No próximo ano e meio devem nascer à volta de 30 mil imóveis, mas dentro disso, uma grande percentagem é de segmento médio alto e alto, o que não serve para equilibrar as necessidades", adianta o especialista, que não poupa nas críticas: "Não se incentivou o mercado, criou-se um receio nos construtores e nos promotores que os limitou a investir e o mercado está a parar. Há muito tempo que lançámos o alerta: todos têm de fazer alguma coisa, especialmente as autarquias de Lisboa e Porto", referiu ao DN/Dinheiro Vivo.

Não é só. A par da escassez de imóveis que vai começar a abrandar o mercado de compra e venda, Luís Lima admite que os preços altos também terão um papel no abrandamento do tempo de venda de imóveis.

"Espero que os proprietários procurem vender os seus imóveis por um valor o mais justo possível para que possam continuar a vender", alerta o presidente da APEMIP.

Ricardo Guimarães admite que esta limitação dos valores já está a acontecer de forma natural. "Há um indicador que nós apuramos que diz respeito à revisão de tabelas. Isto é, como acompanhamos a oferta ao longo do tempo, conseguimos perceber o que acontece ao valor e vemos que hoje há uma maior percentagem de proprietários que já estão a rever o valor para baixo", admite o responsável da Confidencial Imobiliário. "Houve um período em que a revisão era para cima, porque viam que havia muita procura e, por isso, subiam o preço pedido. Agora, em Lisboa, 17% dos proprietários tinham revisto o valor em 5% ou 6%, salvo erro", admite.

Luís Lima completa: "As notícias que davam conta do aumento dos preços levaram muitas pessoas a achar que tudo o que tinham valia ouro. E, ao contrário do que acontecia há dois anos, até mesmo no ano passado, em que os compradores aceitavam imediatamente o valor proposto, voltou a haver negociação, está-se a voltar à normalidade. E à medida que o tempo vai passar, haverá maior negociação."

Ler mais

Exclusivos