Casas venderam-se mais depressa em 2018, mas proprietários já estão a baixar preços

Tempo médio de venda de casas tem vindo a baixar nos últimos anos, mas "hoje há uma maior percentagem de proprietários que já estão a rever o valor para baixo", adianta a Confidencial Imobiliário.

A cozinha pedia obras, a casa de banho uma atualização e as paredes tinta fresca, mas nem o peso da idade travou um negócio supersónico. A casa dos irmãos Ferreira, no coração de Lisboa, encontrou novo dono em três dias. "O agente ligou a dizer que ia ativar o anúncio e que através da rede da agência, e dos pedidos de clientes que procuravam uma casa com aquelas características, conseguia antecipar mais de cem visitas." Não foi preciso tanto. O primeiro casal a conhecer o espaço aceitou o valor proposto e ficou com o imóvel. "Não posso dizer que não foi uma surpresa, especialmente porque em 2013 ou 2014 já se tinha tentado pôr a casa à venda e não apareceram mais de duas ou três pessoas interessadas, mas dispostas a pagar muito menos", conta Mário Ferreira ao DN/Dinheiro Vivo.

Ainda eram os efeitos da crise, mas a realidade mudou. No ano passado, o tempo médio para vender um imóvel voltou a cair. Em Lisboa, foram precisos, em média, apenas seis meses, contra os nove meses de 2013, mostram dados cedidos ao DN/Dinheiro Vivo pela Confidencial Imobiliário. Esta realidade alastrou a todo o país e reflete não só a maior confiança dos consumidores como um maior poder de compra.

"Nos tempos de maior crise, o tempo de absorção de um imóvel aumentou. Esta variável nunca tem variações muito drásticas, mas reflete a falta ou o aumento de liquidez da economia", lembra Ricardo Guimarães, da Confidencial Imobiliário, admitindo que "era esperado que o aumento de liquidez, após a crise, reduzisse o tempo de venda, e isso observou-se".

A redução do tempo que uma casa demora a ser vendida é transversal a várias zonas do país. Em Lisboa, entre 2013 e 2018 registou-se uma redução média de três meses. No Porto, no mesmo período, houve uma redução de cinco meses no tempo médio para venda - eram precisos 11 meses, agora são seis. No Algarve, em 2016, os imóveis para venda chegaram a esperar, em média, 15 meses, e agora são precisos apenas nove.

"Refugo que ninguém quer"

Mas quem conhece o mercado antecipa novas dificuldades. Não é que o setor volte ao que era nos tempos da crise, mas "há menos casas para transacionar e as que vão estar disponíveis vão ser o refugo que ninguém quer", lembra Luís Lima, presidente da APEMIP, a associação que representa os mediadores imobiliários.

O setor da promoção, a par da construção, estima que o mercado precise de 70 mil novas casas para que haja um equilíbrio entre a oferta e a procura. "No próximo ano e meio devem nascer à volta de 30 mil imóveis, mas dentro disso, uma grande percentagem é de segmento médio alto e alto, o que não serve para equilibrar as necessidades", adianta o especialista, que não poupa nas críticas: "Não se incentivou o mercado, criou-se um receio nos construtores e nos promotores que os limitou a investir e o mercado está a parar. Há muito tempo que lançámos o alerta: todos têm de fazer alguma coisa, especialmente as autarquias de Lisboa e Porto", referiu ao DN/Dinheiro Vivo.

Não é só. A par da escassez de imóveis que vai começar a abrandar o mercado de compra e venda, Luís Lima admite que os preços altos também terão um papel no abrandamento do tempo de venda de imóveis.

"Espero que os proprietários procurem vender os seus imóveis por um valor o mais justo possível para que possam continuar a vender", alerta o presidente da APEMIP.

Ricardo Guimarães admite que esta limitação dos valores já está a acontecer de forma natural. "Há um indicador que nós apuramos que diz respeito à revisão de tabelas. Isto é, como acompanhamos a oferta ao longo do tempo, conseguimos perceber o que acontece ao valor e vemos que hoje há uma maior percentagem de proprietários que já estão a rever o valor para baixo", admite o responsável da Confidencial Imobiliário. "Houve um período em que a revisão era para cima, porque viam que havia muita procura e, por isso, subiam o preço pedido. Agora, em Lisboa, 17% dos proprietários tinham revisto o valor em 5% ou 6%, salvo erro", admite.

Luís Lima completa: "As notícias que davam conta do aumento dos preços levaram muitas pessoas a achar que tudo o que tinham valia ouro. E, ao contrário do que acontecia há dois anos, até mesmo no ano passado, em que os compradores aceitavam imediatamente o valor proposto, voltou a haver negociação, está-se a voltar à normalidade. E à medida que o tempo vai passar, haverá maior negociação."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.