Premium 'Bluffs' europeus


Um bluff só vence se o adversário ceder e desistir. A sua substância é pura intimidação. A única forma de enfrentar um bluff é manter-se em jogo até à revelação final das cartas. Hoje a União Europeia enfrenta dois monumentais bluffs políticos, na Grã-Bretanha e em Itália. A lógica exige que Bruxelas se limite a seguir serenamente as regras, esperando que se esfumem estes desafios vácuos. O caso italiano é o mais patente e mais fácil. O governo de Roma, que ameaça violar as regras orçamentais europeias, não tem sequer um par na mão. A dissipação das últimas décadas, que elevou a dívida pública a 130% do produto, a sexta mais elevada do mundo (pior até do que a portuguesa, agora no décimo lugar, com 121%), colocou o país à mercê dos credores nacionais e internacionais. A confiança deles é a única forma de manter o Estado a funcionar. Para se financiar, com qualquer défice, precisa sempre da confiança dos mercados, a qual depende crucialmente da chancela europeia. Com o Orçamento chumbado no Ecofin, a crise será grave e súbita, mas local, não geral. Por isso, a bravata dos extremistas no poder não passa de encenação para a plateia, sem real credibilidade.

Aliás, o bluff nem sequer chega a sê-lo, porque a União, mesmo que quisesse, nunca poderia ceder às exigências italianas. Beneficiando o infrator, surgiriam exigências semelhantes de outros Estados membros, fazendo passar por parvos aqueles que, como Portugal, tomaram as regras a sério. A transigência comunitária seria o fim da União como a conhecemos, e é portanto impensável. Assim, a manobra do governo radical transalpino só pode estar fadada ao falhanço. Se existir algum vencedor, porque nestes conflitos fraternais todos perdem, serão as regras europeias que acabarão acatadas pelos rebeldes.
A questão do Brexit é muito mais séria, antiga, profunda e menos óbvia, mas também não passa de bluff. A enxurrada de análises, opiniões e extrapolações sobre o tema repetem que a União Europeia vive uma das suas maiores crises. A circunstância é indiscutivelmente delicada mas o mais provável desfecho será o reforço da solidez comunitária, servindo de vacina a futuras deserções. Essas investigações estudam muitos aspectos, mas raramente consideram a sua plausibilidade: à medida que o tempo passa, fica mais claro que o Brexit é realmente impossível.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.