Premium Boris traça quatro desafios e já escolhe nomes para o governo

O antigo presidente da câmara de Londres e ex-chefe da diplomacia britânica confirmou o favoritismo e venceu a corrida à sucessão de Theresa May à frente do Partido Conservador com 66,3% dos votos. E deve entrar já nesta quarta-feira para o número 10 de Downing Street.

Cumprir o Brexit, unir o país, derrotar Jeremy Corbyn e dinamizar o Reino Unido. Estes são os quatro desafios que Boris Johnson assumiu nesta terça-feira, depois de ter sido declarado vencedor na corrida à liderança do Partido Conservador. Nesta quarta-feira, se tudo correr como o previsto, substituirá Theresa May no número 10 de Downing Street.

"A campanha terminou e o trabalho começa", disse num curto discurso de vitória. A composição do seu governo deverá ser conhecida na quinta ou na sexta-feira. Mas, já nesta terça, os primeiros nomes da sua equipa mais alargada começaram a ser divulgados pela imprensa britânica, ao mesmo tempo que membros do Executivo de May iam anunciando a sua demissão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.