Premium Aprenda a fazer uma cópia de todos os dados que a Google tem sobre si

Cópias de segurança (backups) é algo que os utilizadores não devem fazer só nos computadores, nos serviços online também é importante.

A Google é uma das empresas de tecnologia mais influentes da atualidade. Ao longo dos últimos anos foi lançando vários serviços que se tornaram sucessos instantâneos entre os utilizadores de internet. A Google não é só o motor de busca: é também o Gmail, o navegador Chrome, o armazenamento naCloud Drive e o sistema operativo Android.

Esta preponderância da Google em diferentes aspetos que influenciam a vida das pessoas levanta uma questão pertinente: se de um dia para o outro, por algum motivo, os serviços da Google não estiverem disponíveis, teria uma cópia dos seus dados para precaver uma perda de informação massiva?

Há alternativas aos principais serviços da Google - pode vê-las aqui -, mas ter um backup dos dados é uma regra de ouro para quem tem a sua vida muito digitalizada. Isto é válido tanto para o que tem guardado no seu computador como para o que tem espalhado por vários serviços da internet.

A Google disponibiliza uma ferramenta a partir da qual o utilizador pode fazer o download desta informação - na prática, vai fazer uma cópia de todos os dados que a Google tem sobre si. O sistema também funciona como uma medida de transparência da tecnológica para com os utilizadores, para que todos saibam que informações são depois usadas na criação de serviços e publicidade mais personalizados.

Fazer um backup em dois minutos

Para fazer um backup dos seus dados só precisa de ir até ao siteGoogle Takeout. Aí vai poder escolher em concreto as informações que quer guardar - são 50 os serviços pelos quais pode optar. Se preferir também pode apenas guardar os dados relativos a um serviço específico - como o Gmail, por exemplo.

Depois de selecionados os dados, o utilizador só precisa de escolher a forma como quer receber essa informação. Em primeiro lugar diz se quer um ficheiro comprimido nos formatos .zip ou .tgz. De seguida deve escolher o tamanho máximo dos ficheiros - a informação pode ficar partida em blocos de 1GB, 2GB, 4GB, 10GB ou 50GB.

O terceiro e último passo é escolher como vai ser feito o envio dessa informação: pode ser um link a partir do qual vai ser feito o download ou então os dados são diretamente enviados para uma plataforma de armazenamento, como o Dropbox.

Uma nota final: dependendo do número de serviços que usa da Google e da frequência com que o faz, a tecnológica diz que o envio das informações pode variar entre algumas horas a alguns dias. Assim que estiver acessível, o utilizador tem uma semana para fazer o ​​​​​​​download da informação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.