Premium Aprenda a fazer uma cópia de todos os dados que a Google tem sobre si

Cópias de segurança (backups) é algo que os utilizadores não devem fazer só nos computadores, nos serviços online também é importante.

A Google é uma das empresas de tecnologia mais influentes da atualidade. Ao longo dos últimos anos foi lançando vários serviços que se tornaram sucessos instantâneos entre os utilizadores de internet. A Google não é só o motor de busca: é também o Gmail, o navegador Chrome, o armazenamento naCloud Drive e o sistema operativo Android.

Esta preponderância da Google em diferentes aspetos que influenciam a vida das pessoas levanta uma questão pertinente: se de um dia para o outro, por algum motivo, os serviços da Google não estiverem disponíveis, teria uma cópia dos seus dados para precaver uma perda de informação massiva?

Há alternativas aos principais serviços da Google - pode vê-las aqui -, mas ter um backup dos dados é uma regra de ouro para quem tem a sua vida muito digitalizada. Isto é válido tanto para o que tem guardado no seu computador como para o que tem espalhado por vários serviços da internet.

A Google disponibiliza uma ferramenta a partir da qual o utilizador pode fazer o download desta informação - na prática, vai fazer uma cópia de todos os dados que a Google tem sobre si. O sistema também funciona como uma medida de transparência da tecnológica para com os utilizadores, para que todos saibam que informações são depois usadas na criação de serviços e publicidade mais personalizados.

Fazer um backup em dois minutos

Para fazer um backup dos seus dados só precisa de ir até ao siteGoogle Takeout. Aí vai poder escolher em concreto as informações que quer guardar - são 50 os serviços pelos quais pode optar. Se preferir também pode apenas guardar os dados relativos a um serviço específico - como o Gmail, por exemplo.

Depois de selecionados os dados, o utilizador só precisa de escolher a forma como quer receber essa informação. Em primeiro lugar diz se quer um ficheiro comprimido nos formatos .zip ou .tgz. De seguida deve escolher o tamanho máximo dos ficheiros - a informação pode ficar partida em blocos de 1GB, 2GB, 4GB, 10GB ou 50GB.

O terceiro e último passo é escolher como vai ser feito o envio dessa informação: pode ser um link a partir do qual vai ser feito o download ou então os dados são diretamente enviados para uma plataforma de armazenamento, como o Dropbox.

Uma nota final: dependendo do número de serviços que usa da Google e da frequência com que o faz, a tecnológica diz que o envio das informações pode variar entre algumas horas a alguns dias. Assim que estiver acessível, o utilizador tem uma semana para fazer o ​​​​​​​download da informação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.