Perdeu o fio à meada? Saiba tudo sobre as eleições do Sporting

Quantos são os candidatos? O que defendem? E quem têm do seu lado? E há estrelas envolvidas? O DN faz o ponto da situação.

As eleições do Sporting estão marcadas para quando?
8 de setembro, um sábado.

Quem pode votar?
Todos os sócios efetivos do Sporting com a quota de agosto paga até dia 20 do corrente mês. Ou seja, quem não pagou até agora já não pode votar.

Por que razão estão marcadas para esta data?
Após os incidentes de Alcochete, de 15 de maio último, o clube entrou em convulsão e a direção presidida por Bruno de Carvalho foi suspensa e depois destituída em assembleia geral extraordinária realizada a 23 de junho.

Quantos candidatos existem?
Sete.

Quais são?
Por ordem de anúncio: Frederico Varandas, António Tavares, Pedro Madeira Rodrigues, João Benedito, Dias Ferreira, Rui Jorge Rêgo e José Maria Ricciardi.

Houve nomes falados que não avançaram?
Sim, Luís Figo, Rogério Alves, Tomás Froes, por opção própria, Zeferino Boal desistiu e juntou-se a José Maria Riciardi. Bruno de Carvalho e Carlos Vieira, respetivamente presidente e vice-presidente da anterior direção, quiseram candidatar-se mas foram suspensos pela Comissão de Fiscalização.

Há processos em tribunal que possam ainda (re) colocar Bruno de Carvalho e Carlos Vieira como candidatos?
O antigo vice-presidente desistiu das eleições. Bruno de Carvalho, segundo o próprio, colocou várias providências cautelares no sentido de ir a eleições ou de suspender as decisões emanadas na assembleia geral extraordinária.

Todos os candidatos têm uma ligação ao Sporting?
Quanto mais não seja porque são sócios. Dias Ferreira, José Maria Ricciardi e Rui Jorge Rêgo já foram dirigentes. Dias Ferreira foi pela primeira vez dirigente do Sporting em 1980 na direção de João Rocha tendo depois uma ligação a sucessivas direções leoninas. Foi candidato derrotado em 2011. José Maria Ricciardi foi membro do conselho fiscal de 1995, altura em que José Roquette entra no clube. Rui Jorge Rêgo foi secretário da assembleia geral eleito nas eleições de 2011.

E os restantes candidatos?
João Benedito foi guarda-redes e capitão da equipa sénior de futsal, tendo-se sagrado nove vezes campeão nacional. Pedro Madeira Rodrigues jogou nas camadas jovens do futebol do Sporting dos 11 aos 14 anos. Frederico Varandas exerceu as funções de diretor clínico do Sporting de 2011 a 2018, tendo renunciado ao cargo três dias depois da final da Taça de Portugal e mostrado logo nessa altura a sua ambição em candidatar-se. Fernando Tavares Pereira foi apontado duas vezes como potencial candidato mas nunca serviu o Sporting. Tem um passado de sucesso como empresário.

No que diz respeito ao futebol, todos tencionam manter José Peseiro como treinador?
Todos menos um. Pedro Madeira Rodrigues anunciou que se ganhar vai demitir o atual treinador e contratar o italiano Claudio Ranieri.

Que figuras sonantes do mundo futebolístico já surgiram nesta campanha?
Os mais sonantes de todos são Peter Schmeichel e Roberto Carlos. O primeiro, antigo guarda-redes e campeão pelo Sporting, está comprometido com João Benedito para embaixador da marca Sporting a nível internacional e eventual representante do clube em eventos além-fronteiras. Roberto Carlos, ex-jogador do Real Madrid e campeão do mundo de seleções, é a aposta de Rui Jorge Rêgo para diretor do futebol.

Mas há mais nomes sonantes envolvidos nestas eleições com expressão no universo Sporting?
Sim, há. Balakov, Ricardo, Marco Aurélio e Delfim vão pertencer à estrutura do futebol de Pedro Madeira Rodrigues. Beto e Hugo Viana figuram no organograma de Frederico Varandas. Para além de Schmeichel, João Benedito conta com André Cruz como diretor desportivo. Marco Chagas, antigo ciclista vencedor da Volta a Portugal, apoia Tavares Pereira.

Nos candidatos a órgãos sociais existem antigos atletas com história no clube?
Sim, Ricardo Andorinho, antigo andebolista, Pedro Miguel Moura, ex-mesatenista e atual presidente da Federação Portuguesa de Ténis de Mesa, e Carlos Pereira, ex-capitão da equipa de futebol e irmão de Aurélio Pereira, são vice-presidentes na lista de João Benedito. José Eduardo, antigo futebolista do Sporting, será o vice-presidente para o futebol.

No que diz respeito a figuras com expressão no universo leonino quem terá mais apoios?
Talvez Frederico Varandas que tem, por exemplo, Rogério Alves como seu candidato à presidência da assembleia geral. Mas depois soma nomes na sua comissão de honra como Aurélio Pereira (diretor de recrutamento), Aguiar de Matos (ex-vice-presidente), Carla Sacramento (ex-atleta), Daniel Carriço (futebolista), Daniel Sampaio (ex-vice da assembleia geral), Eduardo Barroso (ex-presidente da mesa da assembleia geral), Dias da Cunha (ex-presidente), Slimani (futebolista), Jorge Jesus (treinador), Vera Jardim (ex-ministro da Justiça), Mário Lino (ex-jogador e treinador).

E os outros candidatos, como estão de apoios?
Tavares Pereira tem como apoiantes Rui Barreiro (ex-secretário de Estado da Agricultura) e Carlos Teixeira (ex-presidente da Câmara Municipal de Loures). José Maria Ricciardi é apoiado por nomes como Alexandre Soares dos Santos (proprietário do grupo Pingo Doce), Marçal Grilo (ex-ministro), António Horta Osório (banqueiro), Filipe Soares Franco (ex-presidente do Sporting), Carlos Barbosa (ex-presidente ACP), Jorge Cadete (ex-futebolista) e Diogo Lacerda Machado (administrador de empresas).

Algum deles põe como possibilidade a perda da maioria da SAD por parte do clube?
Nenhum, todos advogam que a SAD deve continuar a ser controlada pelo clube.

Há candidatos a presidente que tencionam não ser presidente da SAD?
Dias Ferreira e Rui Jorge Rêgo já disseram que, em caso de eleição, não assumirão a presidência da SAD. Dias Ferreira gostava de conseguir convencer Sousa Cintra a continuar na função, o líder da SAD de Rui Jorge Rêgo será Paulo Lopo, atual presidente da SAD do Leixões. Os restantes cinco candidatos assumirão os destinos da empresa que gere o futebol profissional.

Como esperam os candidatos resolver a situação financeira do Sporting?
José Maria Ricciardi sustenta que são precisos 120 milhões de euros e que existe a possibilidade de não haver dinheiro para salários em novembro. Diz que não anuncia operações antes de as concretizar mas sabe-se que esteve reunido com investidores em Nova Iorque. E coloca a possibilidade de antecipar receitas do contrato com a NOS. João Benedito não quer antecipar verbas e identifica 70 milhões de euros em receitas. Vê os empréstimos obrigacionistas como uma solução lembrando que o Sporting é dos três grandes o que menos dinheiro tem a circular nesses empréstimos. Pedro Madeira Rodrigues assinou um acordo com o xeque Badr Al-samah que prevê um investimento de 120 milhões de euros. Rui Jorge Rêgo garantiu 120 milhões de euros de um investidor brasileiro chamado Júlio Brant e adianta que tem o apoio da KNG, empresa chinesa. Dias Ferreira admite reconhecer a reestruturação financeira em curso e que isso o deixa descansado. Tavares Pereira mostra-se confortável com a sua experiência em lidar com situações de crise.

Após um ano em que as modalidades de pavilhão do Sporting fizeram o pleno como são encaradas pelos candidatos?
João Benedito quer continuar com modalidades ganhadoras no Sporting e explica que as modalidades são "valor e não um custo". Pedro Madeira Rodrigues quer manter o investimento e aponta a um título europeu numa modalidade coletiva de pavilhão. Frederico Varandas quer manter a senda vencedora das modalidades que terá como diretor-geral Miguel Albuquerque, atual diretor do futsal. Ricciardi já criticou o descontrolo orçamental das modalidades, mas, tal como Tavares Pereira e Rui Jorge Rêgo, ainda não explicou em concreto a sua ideia para esta área a não ser que deseja criar um centro de alto rendimento. Dias Ferreira quer uma academia de formação de onde possam sair atletas para as mais diversas modalidades.

Como veem os candidatos a área da formação?
Tavares Pereira é o mais radical e fala numa varridela em Alcochete. Rui Jorge Rêgo tem uma ideia original, pois quer passar o futebol de formação até aos 16 anos para o clube de forma a que este ganhe mais dinheiro com direitos de formação. Dias Ferreira quer projetar uma nova academia, na zona de Lisboa, com o apoio de uma escola, tentando copiar o estilo americano. Frederico Varandas deseja criar uma Unidade de Performance com uma filosofia de trabalho transversal a todo o clube. Este modelo tem pontos de contacto com o Sporting Performance de João Benedito. José Maria Ricciardi considera que não é preciso mudar muita coisa em Alcochete e que muitas das coisas que os seus concorrentes querem fazer já estão feitas. Vai criar a função de coach motivacional dirigido ao jovem jogador que esteja a dar os primeiros passos como sénior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".